Meninas boas vão para o céu

Todas as boas meninas vão para o inferno Porque até a própria deusa Tem inimigos E quando a água começar a subir E o céu estiver fora de vista Ela vai querer o ... meninas boazinhas vÃo para o cÉu, meninas mÁs vÃo para onde quiserem publicado em recortes por Prof. Marcel Camargo Gente bem resolvida e sem medo de ser feliz é quem realmente merece o céu, pois já experimentou o paraíso em vida e conhece o caminho até ele como ninguém. meninas boas vÃo para o cÉu Assim como acontece com a maioria das meninas da minha geração, eu também cresci ouvindo histórias fantasiosas de reis, rainhas, fadas, sapos que são transformados em príncipes e heróis que salvam mocinhas colocadas em perigo por terríveis vilões. Xana (2) ‎– As Meninas Boas Vão Para O Céu, As Más Para Toda A Parte Label: RCA ‎– 7432 1 24055 2 Format: CD, Album Country: Portugal Released: 1994 Genre: Rock. Style: Alternative Rock. Tracklist Hide Credits. 1 ... Meninas boas vão para o céu, meninas más vão para qualquer lugar! Mae West Nota: citada em 'African children: their faces and their thoughts', Thomas S. Gale - Independent Communications Associates Ltd., 1998. Meninas boas vão para o céu, e as malvadas vão para o acampamento Beta: Mariana Revisada por: That Pereira Legal, mais um dia que fui expulsa da sala de aula, vou me esconder no banheiro, ou na sala de limpeza, mas tem um problema, a sala de limpeza é pequena demais, e o banheiro, bom o banheiro é uma putaria, freqüentado pelas patricinhas, aquelas que tem um casinho com os skatistas ... 'Meninas boas vão para o céu , meninas más vão para qualquer lugar...', escreveu ela. Em outro post recente, ela usou lingerie de pérolas e disse que estava 'se exibindo'. 'Me exibindo, cadê ... Mae West - Meninas boas vão para o céu, meninas más vão para qualquer lugar! 2 Comentários em “Resenha – Meninas boazinhas vão para o céu, as más vão à luta” Mariana em 29.01.2014 às 15:57 Responder Apesar de soar como um livro de auto ajuda, gostei das partes que trazem relatos das consultas dela. É bom saber que tem várias pessoas passando pela mesma coisa, mesmo que seja em outro país. Meninas boas vão para o céu Nadja Lira Assim como acontece com a maioria das meninas da minha geração, eu também cresci ouvindo histórias fantasiosas de reis, rainhas, fadas, sapos que são transformados em príncipes e heróis que salvam mocinhas colocadas em perigo por terríveis vilões.

Diário de uma queda

2020.08.24 03:06 zephrot Diário de uma queda

Meu primeiro conto senão me engano, 8 anos atrás, resolvi revisar e mudar ele, masss antes disso quis postar a versão antiga antes da nova surgir, acho que é o certo a se fazer, espero que você ache minimamente interessante. :)

"Você é puro? Livre de pecados? Pronto para estar perto do nosso e único Deus? Se sim, zephyr É seu lugar"

Essa frase foi lançada desde o dia 1 de zephyr, uma bela mentira lançada para encobrir uma cidade podre por dentro, o que supostamente seria um templo no céu se tornou o túmulo de muitos, fora da casa em que me encontro ouço os sons de tiros e gritos, resultados da revolta contra o profeta, o cheiro de sangue invade pela janela, a cada poucos segundos ouço gotas de sangue e gemidos vindo de Arthas, o desgraçado demora pra morrer.
Não que isso seja ruim, demorei 10 anos para encontrar e matar o filho da puta, e ainda não me sinto satisfeito, não depois do que fizeram com minha família.
Dizem que acordar com uma visão do céu e sinal de boa sorte… creio que se isso fosse verdade eu teria sorte por toda minha vida.
Crescer nas nuvens teve suas alegrias, momentos perfeitos naquela cidade utópica criada pelos ideais de um fanático, uma cidade livre de pecadores, livre de raças inferiores, ali nos estávamos perto de Deus e ele perto de nos. Zephyr era seu nome, a joia do céu, a cidade livre de pecados, sua historia de origem? Bom, a real historia eu fui descobrir depois de muito tempo, mas a versão que nos era contada por nossos pais era a seguinte:
"Décadas atrás, quando o mundo estava perdido em guerra, uma criança nasceu em meio ao caos, uma criança que viria a ser nosso profeta, aquele que fundou nossa joia, nossa Zephyr. Sua infância perdida em meio a violência, se fez homem cedo e buscou em Deus refugio, e nosso amado Deus não deixaria tal criança sofrer em vão, a essa mesma criança foram dadas visões, visões na quais se via Zephyr. já como jovem iniciou a busca pela terra prometida ate se dar conta de que ele seria aquele que iria construi-la. E assim ele achou a entidade, o espírito do oeste, aquele que nos mantém no ar"
Se você achou vago, não se assuste, ele fez de tudo para deixar a narrativa aceitável, talvez tenha falhado em deixar convincente porem mesmo assim todos aqueles em Zephyr eram fiéis ao seu profeta... Pelo menos ele assim pensava. A historia não esta totalmente errada, na época como criança eu mesmo acreditava e orava pelo profeta, mas me perdoem, eu era tolo, e como tolo eu errei.
Com amor: Donnie
O cotidiano da minha infância seguia uma rotina bem simples, durante a semana aulas do começo da manha ate o fim da tarde, sábado passeios ocasionais com colegas de classe, aos domingos sempre tínhamos a santa missa, a qual todos os moradores de Zephyr eram obrigados a ir, isso resume minha vida desde os 8 aos 15 anos, mas uma hora ou outra a realidade bate em nossa porta.
Dia 30 de julho sempre foi uma data especial em minha casa já que marcava tanto o casamento de meus pais quanto o aniversario de minha irmã, Angie, ela era a nossa luz de cada dia, não importava o que acontecesse ela sempre sorria, sempre nos alegrava. Meu nome é Donnie, junto com Angie e meus pais Magnus e Cristine nos éramos a família Carter, uma família até que bem respeitada em nossa cidade, meu pai sendo um conhecido arquiteto e minha mãe uma dona de casa muito conhecida por seus doces, éramos em geral uma família feliz que ate esse ponto não tinha sido tocada por aquilo que Zephyr escondia.
Nossa cidade tinha uma ligação com o mundo terrestre graças aos dirigíveis, e logo abaixo de Zephyr havia uma pequena ilha onde ficava um terminal de abastecimento para nossos meios de locomoção além de uma pequena praia onde famílias podiam ir visitar e passar uma tarde agradável na areia ou no mar, contudo esse era o limite que o Profeta nos deu, qualquer contado maior com o povo da superfície podia nos influenciar no caminho do pecado, entretanto não era incomum nossa pequena ilha no meio do mar ser visitada por pessoas de grandes países, que são em sua maioria cheios de cidades, as que mais ouvíamos falar quando crianças eram Nova Iorque, Londres, Paris, e de um pequeno pais chamado Cuba, também não era incomum pessoas de cor aparecem por lá, mas logo eram detidas, pois de acordo com o Profeta, Deus marcou os pecadores com cores e características diferentes das nossas para que assim não nos envolvêssemos com o tipo errado de amizade.
Agora que expliquei o que e como funcionava a ilha, voltemos ao ponto em que parei, naquele dia para comemorar seu aniversario Angie quis descer ate a praia, ela amava a agua, desde pequena não gostava quando nossa mãe a tirava da banheira, ela era uma criança tão pura, fazendo seus 12 anos naquele mesmo dia. Como era seu aniversario meus pais não tinham como dizer não, escolhemos o primeiro dirigível das 9 da manha e descemos ate a praia, um detalhe muito importante era a maneira como minha relação com Angie funcionava, não era a típica relação de irmãos onde sempre há brigas, nos sempre apoiamos um ao outro, não importasse o que fosse, era tudo tão lindo ao lado de minha irmã, nosso percurso no ar levou cerca de 10 minutos, a excitação dela era palpável no momento em que ela viu o mar, meus pais como sempre abraçados e sorrindo ao ver o sorriso em seu rosto, pode parecer que meus pais não me davam bola, mas aquele dia era deles e dela, e eu me contentava por vê-los felizes, isso era mais que suficiente para mim, ao desembarcar no hangar de pouso a primeira coisa em nosso campo de visão foram as lojas da ilhas, um verdadeiro parque de diversão para Angie, só não era o mesmo para o bolso do meu pai.
Nossa primeira parada foi o carrinho de sorvete, uma tradição de nossa família toda vez que íamos ate lá. Angie avistou um vestido florido cheio de cores numa loja próxima, creio que ao ver isso a carteira de meu pai já começou a se preparar, devo mencionar que nos não éramos pobres, mas também não ricos como os Lannis ou os Bariens, mas vivíamos bem só que meu pai era mão de vaca mesmo. Creio que não seja necessária uma descrição detalhada de nosso dia na praia, comemos um belo café da manha, meus pai ficaram na areia abraçados enquanto eu e minha irmã estávamos no mar, pouco depois almoçamos ali mesmo na areia, a única parte realmente relevante dessa tarde foi que o capitão da guarda de Zephyr estava por perto e veio nos cumprimentar, seu nome? Arthas Lannis, um membro de uma das famílias mais ricas de zephyr, aquele filha da puta, pode ter demorado mas ele teve o que mereceu. Quando começou a escurecer meus pais decidiram que já era hora de irmos, e assim pegamos o próximo dirigível de volta para nossa cidade nos céus.
Lembram do amor de minha irmã por rosas? Eu não podia deixar isso passar em branco, assim que chegamos em nossa casa, pedi ao meus pais se poderíamos dar uma volta enquanto eles descansavam (eu sabia que eles queriam um tempo a sós) então foi fácil convencer eles, assim que eles liberaram saímos de casa, queria leva-la aos jardim da ilha do cardeal, esse era o bairro onde os membros do culto do Profeta moravam, então tínhamos que entrar as escondidas, mas valia a pena, eu sabia qual seria a reação dela ao ver o mar de rosas vermelhas daquele jardim, atravessamos a ilha onde nosso bairro se encontrava e fomos pela ilha comercial chamada de Lazaro, caso esteja confuso entender nossa cidade era dividida em ilhas flutuantes interligadas por bondinhos ou pontes, existiam dezenas de ilhas com vários tamanhos e utilidades diferentes, mas a mais imponente de todas era a ilha do Iluminado, chamada assim já que seu único habitante era ninguém mais ninguém menos do que o Profeta, entretanto não era permitido perambular perto daquela ilha, e isso nem mesmo eu ousava desobedecer, ao chegar na ponto que ligava Lazaro com Cardeal, tomamos cuidado para que ninguém nos visse e assim adentramos a ilha, ao passar pelo portao rodeado de madressilvas, logo ali na nossa frente, estava o que prometi a Angie, o mar de rosas mais lindo que jamais fora visto, lhe avisei que podia pegar apenas uma rosa para levar de lembrança, ela escolheu uma linda rosa vermelha bem gorda e sem nenhuma mancha. Ali estava ela, em pleno êxtase de animação ao segurar rosa em suas mãos, contudo, a realidade sempre bate em nossa porta não e mesmo? E foi assim que ela bateu na nossa. Um grito não muito longe de onde estávamos no alertou de que algo estava errado, puxei minha irmã pela manga e fui o mais rápido e silencioso possível em direção, esse foi meu primeiro erro, e paguei caro por ele, sem perceber acabei nos levando em direção do grito, ao chegar na intersecção das ilhas, bem em frente da ponte havias uma figura escura mesmo sendo iluminada por um poste, atrás dele um pouco retorcida havia uma criança chorando baixo, três homens carregando armas surgiram na frente do homem escuro, que mais tarde soube que na verdade ele era um afro descendente, o mais chamativo dos três homens que surgiram ira o conhecido Arthas Lannis.
Arrastei Angie comigo para trás de um banco perto da ponte, pensei que fosse ser possível esperar ali ate o que quer que fosse acontecer ali acabasse, esse foi meu segundo erro, mesmo de não muito perto pude ouvir a conversa entre eles:
– Por favor, minha filha e inocente, deixa-a ir – o tom de suplica em sua voz pegou de surpresa.
– A deixar ir? Ela carrega sua cor, a cor de um pecador, pelo bem de Zephyr não posso permitir esse tipo de gente em nossa cidade – quem falou isso? O capitão Arthas em pessoa, cuja frieza soava cortante.
– Meu Deus, protegei seu servo.. – antes dele prosseguir Arthas o acertou com uma coronhada.
– Quem você pensa que e para pronunciar o nome de Deus em vão? Raça imunda – uma segunda coronhada, dessa vez a menina começou a chorar de verdade. – Vão para o inferno, lugar onde o resto da sua raça te encontrara em breve. Guardas..
– Porque? – tanto eu e os guardas não sabiam em que reparar, na pergunta, ou na pessoa que a fez – Porque fazer isso com eles? Ele só esta protegendo ela – lá estava Angie, segurando sua rosa com ambas as mãos na espera de uma resposta;
Arthas foi quem se recuperou antes e disse:
– Vá para casa pequena, você não tem nada a ver isso – não havia cortesia em sua voz, aquilo tinha sido uma ameaça velada, infelizmente Angie não recuou, pelo contrario, enfrentou novamente o capitão se pondo na frente do homem escuro. – bom você não me deixa escolha criança – não havia hesitação em sua voz, ele nem sequer sentiu qualquer remorso – Guardas – lá estava eu paralisado, tanto por medo quanto pela própria cena em si – Apontar – minha voz não saia, nada que eu falasse ou tentasse pelo menos fazia, eu fiquei lá, parado, sem a mínima reação, esse foi meu terceiro erro, nesse meio termo, minha irmã com suas mãozinhas delicadas encaixou sua linda rosa no cano da arma do capitão, e mesmo assim, mesmo diante dessa cena não houve um brilho sequer de piedade em seus olhos, naquela horas eles estavam mais escuros do que nunca – Fogo.
Eu gritei, ao som do comando de Arthas eu gritei, mas voz nenhuma saiu, tudo o que consegui ver, foram pétalas queimadas daquela linda rosa boiando em um pequeno mar de sangue.
submitted by zephrot to u/zephrot [link] [comments]


2020.08.10 01:58 YatoToshiro Fate/Gensokyo Jeanne (Lancer - Alter- Lily)


https://preview.redd.it/18imf01ze2g51.png?width=350&format=png&auto=webp&s=aa332a3b4a031077b332eba41c134abfcffb0be8
A segunda geração é Alter-chan ~ 2016 Natal ~
Jeanne Alter encontra Gilles de Rais tarde da noite para falar sobre o Natal. Frustrada com o Papai Noel, ela diz a Gilles que vai roubar seu saco e distribuir os presentes antes que o Papai Noel o faça. Esse ato, ela acredita, fará as crianças e o Papai Noel chorarem. Gilles diz a ela que roubar o saco do Papai Noel será difícil, já que nenhum dos dois tem Ocultação de Presença. Em resposta, Jeanne Alter revela que Child-Gil deu a ela uma poção de invisibilidade. Enquanto estiver sob os efeitos da poção, ela roubará o saco do Papai Noel e passará a noite entregando os presentes. Assim, enquanto as crianças abrem alegremente os presentes amanhã, ela terá prazer nas lamentações de Santa Alter. Acreditando que seu plano seja perfeito, Jeanne Alter se prepara para beber a poção. Ela é cautelosa sobre beber, explicando que ela perguntou a Child-Gil sobre seu eu adulto como precaução. No entanto, apesar de seus medos, ela continua a beber a poção. Gilles aponta que ela não é invisível, portanto, Jeanne Alter acredita que Child-Gil a enganou. Mas, assim que ela se prepara para roubar a poção da invisibilidade real, ela de repente se transforma em uma criança, revelando que a poção é a Poção da Juventude. Esta versão infantil chama o plano de seu eu adulto de se tornar um malvado invisível, mas mesmo assim decide realizar seu desejo de ser o Papai Noel por respeito a esse desejo. Apresentando-se como Jeanne Alter Lily, ela anuncia que nasceu para se tornar o próximo Papai Noel. Depois que ela se chama de idiota por causa de seu plano de invisibilidade, Gilles pergunta se ela tem um plano. Alter Lily responde que ela não precisa de um plano, em vez disso, ela apenas convencerá o Papai Noel de que ela é o melhor Papai Noel. Ela então vai para o quarto do Papai Noel para fazer o que ela se propôs a fazer, mas ela é imediatamente e violentamente expulsa. Ao ouvir a comoção, Jeanne d'Arc vê Alter Lily e exige uma explicação de Gilles. Depois de obter uma explicação, Jeanne leva Alter Lily para o quarto de Ritsuka.
No quarto de Ritsuka, Jeanne explica a situação para Ritsuka, e Alter Lily se apresenta como Jeanne d'Arc Alter Santa Lily, Servo da classe Lancer. Ela então tenta e falha várias vezes em dizer seu nome mais rápido a pedido de Ritsuka, mas para quando Jeanne aponta que Ritsuka estava brincando com ela. Depois que Child-Gil se desculpa por dar a ela a poção errada, Alter Lily o critica por seu descuido. Ela também chama seu eu adulto de imprestável, culpando Jeanne por sua má atitude, estragando-a. Santa Alter então entra na sala, pedindo para falar com Ritsuka e Jeanne, e diz a Mash para brincar com Alter Lily. Alter Lily tenta exigir o saque de Papai Noel para ela, mas a ameaça de Papai Noel a faz parar. Enquanto Papai Noel fala com Ritsuka e Jeanne, Mash pergunta a Alter Lily por que ela quer ser Papai Noel. Ela responde que é porque seria o melhor Papai Noel de todos os tempos, acreditando que pode entregar os presentes adequados e ideais para todos. Ela critica o Papai Noel por dar presentes inúteis quando Mash se lembra da expressão vazia de EMIYA ao receber as chaves pretas no último Natal. Sabendo do Natal passado graças às memórias de sua personalidade adulta, Alter Lily afirma que pode dar presentes melhores que todos vão adorar. Quando Santa Alter volta de uma conversa com Ritsuka e Jeanne, Alter Lily fica com medo dela e se esconde atrás de Ritsuka. Santa Alter se prepara para dar o saco de Alter Lily, tendo decidido que ela pode ser o Papai Noel este ano. Mas antes disso, ela testa o valor de Alter Lily em ser o Papai Noel no simulador de combate. Passando no teste de Papai Noel, Alter Lily recebe sua sacola e, em seguida, sai com Ritsuka para entregar os presentes.
Voando pelo céu em Llamrei II, Alter Lily critica "The Gift of the Magi", dizendo que sua lição de moral cai por terra, já que os presentes dos casais se tornam inúteis no final. Mais tarde, ela lê que o primeiro pedido é de Jing Ke, que no ano passado pediu uma adaga afiada, mas em vez disso conseguiu um "elegante cavalheiro mais velho". Acreditando que ela tem o melhor presente para ela, Alter Lily e Ritsuka voam até o esconderijo da caverna de Jing Ke. Entrando na caverna, Alter Lily decepcionantemente testemunha Jing Ke, Ushiwakamaru e Mata Hari enquanto eles provocam Tarasque. Ela se anuncia quando Santa Marta percebe ela e Ritsuka, e começa a repreender todos eles por terem se embriagado. Ela fica com medo e se esconde quando Jing Ke a toca em seu estado de embriaguez. Ela fica ainda mais assustada quando Ushiwakamaru ameaça queimar tudo para fazê-la sair do esconderijo. Ela é então desafiada por Martha a lutar com ela e as outras meninas, o que ela aceita de bom grado. Depois de derrotá-los, Alter Lily dá às meninas seus presentes, que são todos desintoxicantes. Ela os repreende novamente por ficarem bêbados, dizendo que não é algo que Servo deveria fazer. Assim, ela lhes diz que o remédio é para que cumpram seus deveres como Servos, mas avisa que isso também significa que eles sofrerão danos se beberem álcool. Martha pergunta se ela fez o remédio, ao que Alter Lily responde que ela fez um Conjurador que usava roupas brancas, apesar de não conhecê-lo. Enquanto Jing Ke, Ushiwakamaru e Mata Hari partem para matar o Conjurador, Alter Lily sai com Ritsuka e segue para a próxima parada. Ela rapidamente agarrou Martha, que começou a perguntar o que ela pensava quando escolheu aqueles presentes. Alter Lily responde que ela queria dar presentes a Jing Ke, Ushiwakamaru e Mata Hari que seriam úteis para eles. Martha discorda desse sentimento, porém, acreditando que os presentes de Natal têm mais a ver com alegria do que com práticas. Alter Lily discorda fortemente de Martha, porém, acreditando que um presente prático é melhor do que aquele que traz alegria. Ela então sai com Ritsuka depois que Martha agradece pelo presente e lhe deseja boa sorte.
Em seguida, Alter Lily e Ritsuka voam para o Japão para entregar presentes aos servos de lá. Ao pousar, ela cumprimenta Fuuma Kotarou e se apresenta como Papai Noel. Em resposta à confusão de Kotarou sobre o Papai Noel ser uma criança, ela proclama mais uma vez que é o Papai Noel e não uma criança, fazendo beicinho sobre todos sempre tratarem como uma criança. Ela rejeita a oferta de doces de Tawara Touta, afirmando que tudo sabe que você não deve aceitar coisas de estranhos. Depois de rejeitar a oferta de doces de Ritsuka, ela dá a Kotarou seu presente, um dicionário Japonês-Inglês. Ela diz a ele que o nome de Noble Phantasm tem muitos problemas gramaticais e coisas, então o dicionário é para traduzi-lo para o inglês adequado para um nome de Noble Phantasm adequado. Touta chama seu presente de terrível, mas Alter Lily o defende, alegando que é para o próprio bem de Kotarou. Quando Touta diz que um presente de Natal deve trazer alegria, Alter Lily afirma que um presente não é bom se não for útil. Ela continua que, se esse não for o caso, então dar presentes é apenas trazer alegria ao doador. Ela afirma que presentes que trazem alegria não fazem o mundo melhor, acreditando que o Papai Noel precisa dar presentes úteis às pessoas para que possam melhorar. Ela então entra em uma discussão infantil com Kotarou sobre o que ela acabou de dizer, o que aumenta até ela ser desafiada a lutar com ele e Touta. Depois de ser derrotado, Kotarou aceita o presente de Alter Lily, mas diz a ela que não mudará o nome de seu Noble Phantasm, em vez de usá-lo para aprender algumas palavras da língua de seus antepassados. Alter Lily fica desapontada consigo mesma quando descobre que o Nobre Fantasma de Kotarou tem valor sentimental para ele. Ela é agradecida pelo dicionário e depois sai com Ritsuka. Mais tarde, no céu, ela pondera se seu presente para Kotarou foi útil e percebe que ser Papai Noel é mais difícil do que ela pensava. De repente, um "misterioso" Servo se apresentando como Santa Island Mask embarca no Llamrei II. Ele diz a Alter Lily para perseverar em seu papel de Papai Noel, dizendo que é função do Papai Noel sempre se levantar e dar sempre sorrisos. Alter Lily decide aceitar o Papai Noel como seu mentor para guiá-la a ser um Papai Noel melhor.
Alter Lily e Ritsuka chegam em um labirinto, mas estão perdidos graças à falta de direção dela. Ela provavelmente encontra pessoas por perto, presumindo que foram elas que pediram presentes ao Papai Noel. Ela se apresenta e se prepara para dar o presente a eles, mas as chamadas pessoas acabam sendo monstros. Depois de matar os monstros, Alter Lily ouve vozes de crianças chamando pelo Papai Noel. Gritando em resposta, ela é encontrada por Nursery Rhyme e Jack, o Estripador. Garantindo que ela está bem, Alter Lily pergunta se foram eles que pediram presentes ao Papai Noel. Eles confirmam, mas estão confusos, pois ela não é o Papai Noel. Jack e Nursery Rhyme contam a Alter Lily sobre como Papai Noel lhes deu muitos presentes no último Natal. Alter Lily é então forçado a lutar contra eles, já que Papai Noel ensinou Jack e Nursery Rhyme que eles precisam lutar para ganhar seus presentes. Ela os derrota, e eles explicam que não ganham presentes desde que perdidos, embora ela tenha presentes para eles. De repente, uma chave preta rosa cai no chão marcando a chegada de Santa Mask. Santa Mask convence Alter Lily a fingir que perdeu para Jack e Nursery Rhyme. Ela passa a fingir que foi derrotada por Jack e Nursery Rhyme, explicando que a vitória tardia é porque eles usaram Damage ao longo do tempo. Fingindo estar muito fraca para se mover, ela decide dar seus presentes. Santa Mask agradece a Alter Lily por um trabalho bem feito, embora ela se sinta culpada por mentir. Depois que o Papai Noel vai embora, Jack e Nursery Rhyme convidam Alter Lily para o chá. Ela agradece pelo convite e avisa que lá entregará seus presentes. Chegando na festa do chá, ela deduz que nem EMIYA nem Asterios pediram presentes. Ela pergunta a Asterios se ele quer alguma coisa para o Natal, mas ele responde que não. Acreditando que duvida que ela seja o Papai Noel desde criança, Alter Lily diz a ele que ela é de fato o Papai Noel e exige saber o que ele quer. Asterios responde que quer que dias divertidos como o de hoje durem o máximo possível, um desejo que Alter Lily percebe que ela não pode conceder. Rejeitando a oferta de comida de Asterios e a tentativa de EMIYA de falar sobre ela, ela dá presentes a Jack e Nursery Rhyme. O presente é um eremitério, pois Alter Lily acredita que Jack e Nursery Rhyme precisam de um lugar tranquilo para estudar em vez de brincar. Ela tenta explicar por que isso seria bom para eles, mas então decide que não seria e foge. Enquanto ela corre, Alter Lily percebe que é praticamente tudo o que ela tem, e que ela tem desejo nem esperança, já que a existência dela é impossível. No entanto, apesar disso, ela pensou que poderia conceder os desejos dos outros em vez dos seus próprios, e é por isso que ela queria ser o Papai Noel. No entanto, ela acredita que falhou em ser o Papai Noel, pois não sabe o que faz as pessoas felizes. Sozinho no meio de um campo de neve, Alter Lily é finalmente encontrado por Ritsuka, Jack e Nursery Rhyme. Ela se sente abatida quando eles devolvem o presente para ela, mas eles dizem que querem ver o mar. Santa Mask então aparece e a incentiva a atender o pedido de Jack e Nursery Rhyme, já que ela pegou o presente de volta. Alter Lily diz a Jack e Nursery Rhyme para embarcarem no Llamrei II para que ela possa levá-los ao mar. Antes de sair, ela agradece ao Papai Noel e garante que fará o possível.
Enquanto o grupo voa para seu destino, eles são repentinamente puxados para baixo por um Servo. Após um pouso forçado, eles são confrontados por Leonidas, que proclama que não pode deixar Alter Lily conceder o desejo de Jack e Nursery Rhyme de ver o mar. Questionado sobre o motivo por Alter Lily, ele explica que é por ordem de um gênio que ele não pode deixá-los passar. Alter Lily então luta com ele, alegando que é função do Papai Noel conceder desejos. Após a derrota, Leônidas diz a Alter Lily que há um grupo de Servos esperando à frente, e avisa que sua jornada até o mar não será fácil. Ela pergunta por que ele está tentando impedir o Papai Noel de realizar um desejo, mas ele apenas responde que ela terá que pedir detalhes ao próximo Servo. Depois que Leonidas desaparece de volta para Caldéia, Alter Lily confirma a condição de todos quando o Papai Noel aparece novamente. Ele pergunta a ela se ela ainda está disposta a continuar sua jornada, apesar de saber que ela não receberá nenhuma recompensa por realizar um desejo. Hesitante a princípio, ela responde que quer conceder o desejo de Jack e Nursery Rhyme, em vez de forçar um presente que eles não querem. O Papai Noel diz a ela para proceder com cautela, e cabe ao Papai Noel conceder ou não um desejo. Depois que ele sai dizendo que Papai Noel pode não ser um santo, Alter Lily pensa em como ela queria refutar isso. Ela queria dizer que o Papai Noel é um nobre santo que realiza o desejo de todos, por isso ela escolheu se tornar o Papai Noel. No entanto, ela não pode deixar de sentir que o que o Papai Noel disse pode ser verdade. Ela treme de medo do que acontecerá depois do Natal e se pergunta se ainda terá permissão para existir. O grupo percebe que não pode mover o trenó, então eles decidem seguir em frente sem ele.
Montando acampamento em uma floresta, o grupo come o banquete que a EMIYA preparou anteriormente. Mais tarde naquela noite, Alter Lily fala com Ritsuka sozinho enquanto Jack e Nursery Rhyme estão dormindo. Ela pergunta por que eles estão dormindo, já que são servos, e acreditando que estão desperdiçando energia mágica desnecessária, ela pergunta a Ritsuka se eles estão incomodando. Ritsuka responde que eles não se importam, mas Alter Lily responde que ela sente que é mais apropriado para um Servo permanecer na forma espiritual durante os tempos de descanso. Seguindo essa crença, ela se prepara para entrar na forma espiritual, mas antes disso, ela pergunta a Ritsuka se eles já viram o mar. Depois de darem suas respostas, Alter Lily se pergunta se é bom para Jack e Nursery Rhyme ficarem ansiosos para ver o mar. Ela continua que não tem nenhuma memória do mar, já que seu eu adulto nunca o viu. Ela então pergunta qual é o sentido de ir ao mar durante o inverno, já que eles só podem vê-lo, em vez de no verão, quando podem nadar nele. Ritsuka diz a ela que provavelmente ela vai gostar.
Na manhã seguinte, o grupo se prepara para continuar para o oeste em direção ao mar quando Mash detecta dois Servos. Hassan, do Braço Amaldiçoado, aparece declarando que não pode deixar o grupo ir para o mar. Em resposta a Alter Lily perguntando o motivo, ele responde que é porque o verdadeiro Papai Noel está aqui. Alter Lily suspeita de suas respostas, já que pareceu que ele pensou nisso quando Ritsuka disse que havia outros papais noéis. Evitando a acusação, Cursed Arm apresenta o verdadeiro Papai Noel, Santam, que pergunta o que é Papai Noel. Alter Lily responde que Papai Noel é o concedente de desejos, alguém que traz alegria trazendo presentes. Santam responde: Papai Noel é um vigia sem rosto que trabalha nas sombras e depois se revela. Alter Lily, Jack e Nursery Rhyme imediatamente percebem que Santam é apenas EMIYA usando uma máscara; algo que o choca, já que eles não conseguiram descobrir a identidade do Papai Noel. Ignorando isso, EMIYA diz a Alter Lily que ele veio para corrigir sua visão equivocada do Papai Noel. Ele diz a ela que ela não é um verdadeiro Papai Noel se ela hesitar ou fugir dessa jornada. Ele a desafia a lutar com ele se ela realmente acredita ser o Papai Noel. Alter Lily está cheia de dúvidas sobre ser o Papai Noel, acreditando que talvez EMIYA seja um Papai Noel melhor do que ela. No entanto, apesar de suas dúvidas, ela decide lutar, declarando-se o Papai Noel, uma vez que lhe foi confiado o saco do Papai Noel. Depois que ele é derrotado, EMIYA diz a Alter Lily para seguir em frente, nunca esquecendo que ela é um verdadeiro Papai Noel. Depois que ele sai dizendo a ela para não esquecer seus deveres, Alter Lily parece deprimido, mas ela diz a Ritsuka que ela ficará bem.
Conforme o grupo se aproxima do mar, Alter Lily se pergunta se ela ainda poderá ser o Papai Noel ou se desaparecerá. Ela, Jack e Nursery Rhyme são carregados por Ritsuka enquanto fogem de uma horda de bonecas vivas. Ritsuka tropeça em uma pedra, então o grupo é forçado a lutar contra as bonecas. Depois que as bonecas são destruídas, Santa Mask aparece e trai Alter Lily, alegando que ele a levou para sua armadilha. Querendo pegar o saco do Papai Noel como seu, ele explica que a primeira regra do Papai Noel é que o Papai Noel deve ser indiferente, mas justo. Eles realizam desejos e dão presentes de maneira justa, sem preconceitos e sem interesses próprios. Ele diz que Alter Lily está perdida, perplexa e angustiada, mas ela continua. Alter Lily questiona se é ruim estar perdido e perplexo, ao que Santa Mask disse que é. Alter Lily então pergunta se o interesse próprio é desnecessário, mesmo o desejo de conceder desejos; Santa Mask diz que não é necessário para o Papai Noel. Jack pergunta a Alter Lily se ela vai com ela e Nursery Rhyme para o mar, pois os dois querem que ela vá. Chamando seu desejo de absurdo, Santa Mask exige o saco novamente, mas Alter Lily se recusa a dá-lo a ele. Ela declara que não vai entregar o saco para alguém que insulta crianças e decide que deve derrotar o Papai Noel. Depois de derrotá-lo, Alter Lily diz a Santa Mask para se afastar, o que ele faz porque a viu decidida como Papai Noel. Enquanto ela continua em direção ao mar, Alter Lily começa a tremer com a sensação que ela continua tendo. Jack e Nursery Rhyme seguram suas mãos, e os três continuam à frente de Ritsuka. Ao anoitecer, as meninas alcançam a costa e, ao ver o mar, Alter Lily pensa que provavelmente falhou como Papai Noel. Ela começa a chorar alto, agora percebendo que era ela quem queria ver o mar. Ela pede desculpas a Jack e Nursery Rhyme por terem vindo ao mar para realizar seus desejos, mas para conceder os dela. Eles dizem a ela que está tudo bem, acreditando que ela fez o melhor que qualquer Papai Noel poderia. Ela então ouve as ondas com eles. Depois, ela corre para Ritsuka, que a observava de longe, e diz a eles que é o Papai Noel, embora seja jovem, imatura, egoísta e indefesa. No entanto, apesar de suas falhas, ela quer ajudá-la a Ritsuka. Ela pergunta a eles se pode ficar com eles mesmo depois do Natal e depois. Ritsuka a aceita, então Alter Lily agradece e os abraça.
submitted by YatoToshiro to Fate_GensokyoBR [link] [comments]


2020.05.02 13:38 amornostemposdequa Peles e Espelhos

Tocava Stevie Wonder nas caixinhas de som ligadas no meu notebook enquanto meus dedos frenéticos teclavam mais um conto como esse. Os dedos acostumados com o teclado barato que se tornou uma ferramenta, uma extensão de meus sentimentos mais profundos e secretos. Diferente de meu coração verde que inventava histórias sem nunca as ter vivido de fato.
Mergulhado naquela tarde vazia eu ouvi alguém chamar no portão. De quem era aquela voz? Era feminina, mas de ninguém que eu conhecia. Parecia uma voz de anjo. Engraçado, parece que chamou dentro da minha mente interrompendo meu raciocínio. Quem ainda está visitando alguém no meio dessa pandemia? Não liguei nem parei de escrever por um segundo. Estava tão concentrado naquele parágrafo que parecia que estava apaixonado pelas mesmas palavras que eu usava todo santo dia. Como se fosse um tecido que eu desfiava durante o sono e costurava novamente durante a vigília.
A porta do meu quarto estava meia aberta e a música nas caixinhas de som ainda tocava algum soul dos anos 70’s quando de repente minha mãe me chamou da sala.
— Calmae, mãe.. — eu disse sem tirar os olhos da tela do notebook e sem vontade nenhuma de sair da minha cadeira. E antes que eu pudesse terminar a última frase do parágrafo ela entrou no meu quarto bagunçado acompanhada de minha mãe.
— Ouh menino, levanta pra cumprimentar sua prima. Ela vai ficar um tempo aqui com a gente antes de voltar para o Rio.
Quando eu virei a cadeira giratória me deparei com uma das coisas mais lindas já vistas pela retina dos meus olhos secos de tanto ficar em frente a tela de um computador. Seus pés com as unhas brancas à francesa davam contraste com sua pele jambo e suas solinhas estavam vermelhas de tantas horas de tênis dentro do ônibus. Usava um short jeans e uma desprevenida blusa amarela de alça deixando a pele negra exposta a luz do sol que a beijava suavemente naquela tarde amena do interior de São Paulo. Usava uma trança no cabelo e seu olhar parecia tão forte e profundo. Parecia que me olhava dentro da alma. Eu não acredito em alma gêmea mas tem olhos que parecem um espelho refletindo coisas que nem nós mesmo sabíamos que existia dentro da gente.
Eu levantei para cumprimentá-la. Dei um beijinho no seu rosto e ela como boa carioca me segurou um segundinho a mais para me dar um segundo beijo no outro lado da minha bochecha. Vendo que eu estava tímido ela me puxou e me deu um abraço.
— Oi primo, você lembra de mim? — Ela disse enquanto sorria não só com a boca mas também com os olhos com a testa com o corpo inteiro. Ela tinha um sol sobre sua cabeça. É claro que eu não me apaixonei assim rápido. Na verdade, só depois de algum tempo que eu notei aquela beleza em todo seu esplendor. Até então em minha curta vida amorosa meu coração tinha apenas se iludido sem saber bem o porquê, com os arquétipos inalcançáveis que a televisão colocou profundamente em meu inconsciente medroso e frágil.
Mas eu não lembrava dela. Não daquele mulherão que eu tinha na minha frente. Talvez algum resquício no fundo da memória de uma vez em que fomos no Rio e ficamos na casa da minha tia. Na verdade, eu lembro dela sim. Mas como ela era mais velha a gente não teve muito contato. Eu era apenas um menino e ela uma pré-adolescente sem paciência para criancices. Cerca de quinze anos se passaram e eu nunca mais tive contato com ninguém de lá. Até esse momento.
Depois que ela tomou banho e se instalou no quarto que era do meu irmão fomos jantar na mesa da cozinha.
— Primo, eu fiquei tão feliz quando soube que você fazia letras também.
— Ah, sim. Eu achei legal você fazer também. — Eu disse enquanto pensava que esse era um daqueles raros momentos em que a gente deixa de se sentir de todo só no mundo. Sorri calado enquanto dava uma garfada na costela com mandioca que minha mãe tinha feito.
— Você está em qual ano? — Ela perguntou.
— Terceiro. Mas acho que eles vão cancelar o semestre. Nosso campus resolveu peitar o governo e não colocar o ensino a distancia.
— Nossa, que corajoso. Se esse governo não cair eles vão ter arrumado uma puta briga com esse ministro louco. Quando passar essa pandemia eu quero conhecer seu campus.
— Vamos sim.
— Mas Jade, como que está a Tereza? — Minha mãe perguntou enquanto enchia o copo de suco.
— Ah tia, minha mãe está bem. A última vez em que a vi foi em fevereiro antes de vir aqui para o interior e começar minha pós-graduação. Mas agora sem ônibus eu nem sei quando vou conseguir voltar para o Rio.
— Eles estão dizendo que em agosto mas eu duvido muito. Você viu menina, o povo tudo na rua levando essa doença na brincadeira.
— Eu vi, tia. Pelo que minha mãe fala, lá no Rio também nego não está nem aí e os hospitais já estão abarrotados de gente.
— Só Jesus, né minha filha. — Logo após minha mãe terminar a frase eu perguntei a Jade:
— Você pesquisa que área na sua pós?
— To fazendo pós-graduação em semiótica. Você já teve essa matéria?
— Sim, sim. Tivemos um professor incrível. Era foda as análises que ele fazia.
— Ah primo depois a gente pode trocar algumas figurinhas semióticas haha — Ela disse isso com alguma maldade nos olhos que me pegou desprevenido.
Seu sorriso era um mundo aberto. Sua energia era um universo a parte que nos convidava a interagir. Era difícil ficar imune aquela pessoa. Para mim as vezes era difícil até respirar perto daquela mulher. Timidez e inexperiência junto com as desconstruções da internet me faziam ficar calado toda a vez que ela fazia uma gracinha um pouco mais provocativa. Eu nunca soubera se ela estava me dando mole ou apenas sendo legal. Na dúvida eu ficava sem jeito e calado. Ela percebia. E ria. Sabia que mexia comigo a danada. Depois eu escrevia no word toda minha afobação por estar perto dela. Mesmo com esse nó que eu tinha dentro de mim não demoramos a flertar pesadamente dentro de casa.
Certo dia de isolamento, em que ninguém sabia mais qual dia da semana era, ela entrou no meu quarto enquanto eu escrevia no notebook. Senti um cheiro de loção pós banho de maracujá invadir minhas narinas. Parecia um cheiro de mar. Tropical e fresco como agua de coco no calor de uma praia deserta.
Sua presença quente e seu perfume amarelo me excitaram de uma forma. Era como alguém tivesse apertado um botão dentro de mim. Claro, que já estávamos há não sei quanto tempo sem transar então não era de estranhar alguma tensão sexual no ambiente.
Apesar de já estar acostumado de ficar na sexa naqueles tempos eu estava tocando no mínimo duas por dia. Meus contos estavam mais eróticos que o normal. Tudo era tesão, raiva e medo. Notícias trágicas na minha linha do tempo vinham seguidas de nudes, soft porn e xingamentos às loucuras do presidente. Não exatamente nessa ordem. Eu as vezes sentia que ia explodir como uma bomba! De nêutrons, de hormônios, de amor.
Ela sentou na minha cama e ficou me olhando escrever enquanto tocava bacu exu do blues na minha caixinha de som. Seus pés macios como seda tocavam com as pontas dos dedos o tapete de crochê que minha mãe tinha feito. Ela estava mais calada que o normal e dessa vez foi eu que tomei a iniciativa para começar a conversa.
— Jade, o que você faria se estivesse afim de alguém mas não sabe se é reciproco ou não. É para um personagem que tô escrevendo aqui.
— humm.. depende da pessoa. Eu geralmente costumo ficar olhando calada, dando uma indiretas até a pessoa falar alguma coisa.
— E se a pessoa não percebe ou não toma a iniciativa?
— Aí ela perde TUUUDO ISSO haha — Ela disse isso e deu uma risada gostosa jogando seu corpão na cama.
Salvei o documento que eu estava escrevendo e deitei na cama ao seu lado. Ela encostou em mim deitando sua cabeça em meu bíceps. Quase pedia por um carinho como uma gata. Senti o cheiro de seu cabelo crespo e alto. Um vapor quente saía de seus poros e entrava direto na minha alma fazendo meu coração bater fortemente.
Nos olhamos de frente e novamente aquela sensação de alma gêmea surgiu como se estivéssemos espelhando nossas vidas conturbadas. Senti medo de me conhecer. Eu tenho medo de me conhecer mas ali com aqueles olhinhos castanhos me olhando e me devorando, eu sentia que a muralha do medo dentro de mim começava a ceder.
A janela do quarto estava aberta e deu pra ver uma estrela cadente cortando o céu como um meteoro da paixão. Sim é brega, mas fodasse. Deixei passar aquele desejo pois minha língua estava sendo sugada pela mulher mais linda que eu já tinha visto na vida. Ela sem roupa era uma deusa toda perfeita na sua imperfeição.
Era uma potência em cima de mim. Virada no diabo ela pediu para eu chupa-la. Ela enfiava minha cara entre suas pernas e puxava meu cabelo para lá e para cá guiando o seu próprio prazer. Quando ela gozou eu me senti um rei que acabara de tirar uma espada de uma pedra sem esforço algum. Em sua respiração ofegante entendi como naturalmente as coisas acontecem. Minha cabeça entrou no modo de escritor e eu quis correr para o bloco de notas para tomar nota daquela sensação mas logo aquela deusa de ébano me pegou pela nuca e enfiou a língua dela na minha boca até quase sair pela minha nuca. Depois me jogou na cama e montou em mim, cavalgando até eu não aguentar mais e enche-la com meu esperma quente. Ela tremia quando caiu ao meu lado da cama. Teias de aranha tiradas finalmente e de modo triunfal. A comida sempre fica mais gostosa quando se está com fome.
Apesar das recomendações, transávamos quase todos os dias. De todas as formas possíveis. As vezes só para matar o tédio de todos os domingos em que tinha se transformado os dias da semana. Achei engraçado que minha mãe não percebia. Ou percebia e ficava calada. Eu não sei se a questão de sermos primos a incomodava. Talvez ela percebesse que era nada sério. Eu não se para Jade, mas para mim foi muito sério. Pela primeira vez eu pude conhecer o corpo de uma mulher profundamente e pude mergulhar sem medo dentro das possibilidades do meu próprio prazer.
Espelhávamos um no outro não só os olhos mas também a cor de nossa pele, nossa história e passado. Também pela primeira vez não me senti subjugado nem em dúvida. Nem diferente, nem com medo, nem nada. Éramos apenas duas pessoas jovens e saudáveis fodendo num quarto. Eu finalmente era um homem. E só. Com meus defeitos e qualidades e com o direito de aprender com meus erros e acertos.
Cerca de dois meses se passaram e no primeiro relaxamento do lockdown Jade decidiu voltar para casa de sua mãe no Rio. Eu a levei até a rodovia do município. Foi e ainda é muito entranho ver todo mundo de máscara, o distanciamento das pessoas e o nosso também. Por mais que quiséssemos ficar abraçados naqueles últimos momentos juntos não queríamos ser os únicos a não respeitar a nova cultura que foi imposta pelo vírus.
O busão da Andorinhas com uma placa escrito Campo Grande x Rio de Janeiro finalmente chegou. Ela me deu um abraço apertado e seus olhos sorriram acima da máscara preta que ela usava. Senti vontade de lhe dar um beijo e ela pressentindo meu desejo tirou sua máscara pela alça na orelha. Depois cuidadosamente tirou a minha também. Passou os dedos com as unhas sem esmalte no meu rosto. Me beijou profunda e amorosamente por alguns segundos. Não sabíamos se nos veríamos de novo. O medo e o futuro incerto pairavam no ar. Eu queria mais que tudo vê-la novamente em breve. Não só por pela intensidade de tudo que vivemos, mas por uma necessidade de acreditar no futuro. Nada como o medo da morte para nos fazer dar valor as pequenas coisas da vida.
Medium
submitted by amornostemposdequa to rapidinhapoetica [link] [comments]


2019.09.05 13:36 TaoQingHsu Pusa World-Sounds-Percebendo em Universal Door Chapter

Tradutor no tempo de pós-Qin, China (AD. 344-413): Kumārajīva (que traduziu o referido capítulo de sânscrito para chinês). Tradutor nos tempos modernos (D.2018): Tao Qing Hsu (que traduziu o dito capítulo do chinês para o inglês). Professor, palestrante e escritor para esta escritura: Tao Qing Hsu Naquele momento, Pusa Endless-Meaning levantou-se do assento, descobriu o ombro direito, fechou as palmas das mãos, encarou o Buda e disse que “Honrado pelo Mundo! Por qual causa e condição é a Pusa World-Sounds-Perceiving chamada World-Sounds-Perceiving? O Buda disse ao Pusa Endless-Meaning: "Bom homem! Se houvesse infinitos milhares de seres sencientes afetados por todos os tipos de problemas, eles ouviram Pusa World-Sounds-Percebendo e chamaram seu nome de uma só vez, Pusa World-Sounds- Perceber iria imediatamente perceber os sons e libertar todos eles do sofrimento, se as pessoas recitassem e mantivessem o nome Pusa World-Sounds-Perceiving, supondo que eles entraram em um incêndio, eles não poderiam ser queimados, isso é tudo porque o Pusa é impressionante poder espiritual, se eles estavam se afastando da água, eles chamavam o nome, e eles estariam em um lugar raso.Se os cem trilhões de seres sencientes entrassem no mar, a fim de buscar ouro, prata, vidro, ágata, coral, âmbar, pérola e outros tesouros, e supondo que seu navio foi soprado pelo vento negro e estava flutuando no reino do fantasma de Raksasa, qualquer um deles e até mesmo apenas uma pessoa que recitou o nome de Pusa World-Sounds-Perceber essas pessoas tudo pode ser liberado da aflição no Raksasa. Por causa das causas e condições acima mencionadas, foi chamado World-Sounds-Perceiving ". "Além disso, se as pessoas pudessem ser mortas, eles recitaram o nome da Pusa World-Sounds-Perceiving, a faca segurada seria seriamente quebrada em pedaços, e então eles seriam libertados. Se os três mil e mil grandes países estivessem cheios de Yasha e Raksasa, que queriam incomodar as pessoas, aquelas pessoas ouviram o nome de Pusa World-Sounds-Perceiving, os fantasmas perversos não podiam olhar para aquelas pessoas pelos olhos do mal, muito menos para prejudicá-los. Algemas e algemas, se em culpa ou inocência, recitado e chamado o nome de Pusa World-Sounds-Perceiving, esses grilhões seriam quebrados e ele seria liberado.Se os três mil e mil grandes países estavam cheios de ódio ladrões, um chefe mercante possuía pesados ​​tesouros de todos os mercadores e passava por estradas perigosas, um deles canta: "Todos os homens bons! Não fique apavorado, você deve chamar o nome de Pusa World-Sounds-Perceiving single mindedly. A Pusa pode dar a todos os seres sencientes o destemor. Se você recitou e chamou seu nome, certamente livrará de tais ladrões de ódio. Quando todos os homens de negócios ouviram isso, todos gritaram: “Na Mo Pusa, o Mundo Sons - Percebendo!” Então, eles foram imediatamente libertados por recitar e chamar seu nome. “ "Endless-Meaning! O poder da espantosa espiritualidade do Buddhisattva World-Sounds-Perceber é tão majestoso e elevado como o dito. Se os seres sencientes tinham muito desejo sexual, e então consistentemente recitavam e respeitavam o Pusa World-Sounds-Perceiving, eles Então, se eles tivessem muito ódio, e então repetissem e respeitassem consistentemente a Pusa do Mundo-Percepção dos Sons, eles iriam deixar o ódio, se tivessem muita estupidez e paixão, e então recitassem e respeitassem consistentemente o Pusa. O Mundo-Sons-Percebendo, eles deixariam assim a paixão. ”Endless-Meaning! Pusa World-Sounds-Perceiving tinha um grande poder como esses, e tinha misericórdia e conferia a todos os seres sencientes o grande benefício. recite seu nome em mente. Se houvesse uma mulher que quisesse um menino, adorasse a Pusa World-Sounds-Perceiving e oferecesse algo a ela, um menino teria felicidade e virtude (fortuna e sabedoria); se ela pretendesse ter uma menina, ela teria uma menina bonita e digna que possuía as raízes da virtude plantadas na vida passada e eram consideradas por todas as pessoas. Significado sem fim! Pusa World-Sounds-Perceiving tem esse poder como estes. Se houvesse seres sencientes, que respeitassem e adorassem a Pusa, a sua felicidade acumulada no plantio não seria em vão. Portanto, todos os seres sencientes devem recitar e manter o nome de Pusa World-Sounds-Perceiving ". Se houvesse seres sencientes, que respeitassem e adorassem a Pusa, a sua felicidade acumulada no plantio não seria em vão. Portanto, todos os seres sencientes devem recitar e manter o nome de Pusa World-Sounds-Perceiving. "Endless-Meaning! Se houvesse alguém que recitasse e mantivesse o nome de Pusa no número de 62 bilhões de Ganges, e exaustivamente lhes oferecesse comida, roupa, roupa de cama e remédios, o que você acha? O bom homem ou a boa mulher tem tanto mérito e virtude ou não? " Endless-Meaning disse: "Muitos! Mundo honrou um!" O Buda disse: "Se houvesse uma pessoa que recitasse e aceitasse o nome Pusa World-Sounds-Perceiving, mesmo uma adoração e oferenda de uma só vez, a bem-aventurança das duas pessoas seria exatamente igual, não diferente, e seria infinita nos cem bilhões de miríades de eras. Sem fim - Significado! Recitar e manter o nome de Pusa Mundo-Sons-Percebendo terá tal benefício de imensurável ilimitada felicidade e virtude. " Endless-Meaning disse ao Buddha: "Mundo honrado! Como é que a Pusa World-Sounds-Perceiving faz um tour neste Mundo Saha? Como se fala da lei de Buda para todos os seres sencientes? O que usa o poder da conveniência?" O Buda disse a Pusa Endless-Meaning: "Bom homem! Se seres sencientes em qualquer país devem ser salvos pela forma e pelo corpo de Buda, a Pusa-Sense-Percebida aparecerá na forma e corpo de Buda e falará da lei de Buda Se eles pudessem ser resgatados pela forma e pelo corpo de Pratyeka-Buddha, Pusa apareceria na forma e no corpo mencionados, e falaria da lei de Buda para eles: se eles fossem resgatados pela forma e pelo corpo de Sravaka, Pusa apareceria a forma e corpo ditos, e falaria da lei de Buda para eles.Se eles fossem resgatados pela forma e corpo de Brahma King, Pusa apareceria a dita forma e corpo, e falaria a lei de Buda para eles Se eles deveriam ser resgatados pela forma e corpo de Sakra, Pusa apareceria a forma e corpo mencionados, e falaria da lei de Buda para eles.Se eles fossem resgatados pela forma e corpo de Maheshvara, Pusa apareceria disse forma e corpo, e falar da lei de Buda para eles.Se eles devem ser resgatados pela forma e corpo do grande general do céu, Pusa apareceria a forma e corpo mencionados, e falaria da lei de Buda para eles. Se eles deveriam ser resgatados pela forma e corpo de Vaisravana, Pusa apareceria na forma e corpo mencionados, e falaria da lei de Buda para eles. Se eles deveriam ser resgatados pela forma e corpo do pequeno rei, Pusa apareceria na forma e corpo mencionados, e falaria da lei de Buda para eles. Se eles deveriam ser resgatados pela forma e pelo corpo dos idosos, Pusa apareceria na forma e corpo mencionados, e falaria da lei de Buda para eles. Se eles deveriam ser resgatados pela forma e pelo corpo da Igreja Budista, Pusa apareceria na forma e corpo mencionados, e falaria a lei de Buda para eles. Se eles deveriam ser resgatados pela forma e corpo do Primeiro Ministro, Pusa apareceria na forma e corpo mencionados, e falaria da lei de Buda para eles. Se eles deveriam ser resgatados pela forma e corpo de Brahman, Pusa apareceria a forma e corpo mencionados, e falaria da lei de Buda para eles. Se eles deveriam ser resgatados pela forma e corpo do monge budista, monja budista, Upasaka e Upasika, apareceria a dita forma e corpo, e falaria da lei de Buda para eles. Se eles deveriam ser resgatados pela forma e corpo da mulher que são os idosos ou leigos budistas ou primeiro-ministro ou Brahman, ela imediatamente se transformaria e apareceria na forma e no corpo da mulher, e falaria da lei de Buda para eles. Se eles deveriam ser resgatados pela forma e corpo de menino ou menina, ele se transformaria e apareceria na forma e no corpo, e falaria da lei de Buda para eles. Se eles deveriam ser resgatados pela forma e corpo do céu ou dragão ou Yaksha ou Gandharva ou Asura ou Garuda ou Rahula ou Kinnara ou humano parecido mas não como humano, ele se transformaria e apareceria na forma e no corpo, e falaria do Buda - decida por eles. Se eles fossem resgatados pela forma e corpo de Vajradhara, ele iria transformar e apresentar a forma e o corpo mencionados, e falar da lei de Buda para eles. "Significado sem fim! O Pusa World-Sounds-Percebendo realiza esse mérito e virtude, por várias formas, percorre todos os países e resgata os seres sencientes. Portanto, você deve oferecer algo para a Pusa World-Sounds-Perceber com a mente única. A percepção pode proporcionar a todos os seres sencientes o medo do medo, da crise e da dificuldade. É assim que neste mundo Saha todos os chamam de doador de destemor (significa que dá a todos os seres sencientes o destemor). Endless-Meaning disse ao Buddha e disse: “Honrado pelo Mundo! Eu deveria oferecer algo para a Pusa World-Sounds-Perceiving agora. ”Então, de seu pescoço, ele desatou todos os colares de jades e pérolas e ouro de mais de mil onças, deu-os à Pusa World-Sounds-Perceiving e disse : "O benevolente! Por favor, aceite tais ofertas da lei de Buda, os tesouros e colares de jades e pérolas. Naquela época, a Pusa World-Sounds-Perceiving não aceitou. Endless-Meaning disse à Pusa World-Sounds-Perceber novamente e disse: “O Benevolente! Para ter pena de nós, por favor, aceite estes colares de jade e pérolas. Na época, o Buda disse à Pusa World-Sounds-Perceiving: “Você deve aceitar os colares de jades e pérolas para ter pena de Pusa Endless-Meaning, as quatro congregações, e céu ou dragão ou Yaksha ou Gandharva ou Asura ou Garuda ou Rahula ou Kinnara ou humano parecido, mas não como humano. ”De uma maneira oportuna, o Pusa World-Sounds-Perceiving aceitou os colares de jades e pérolas para ter pena de todas as quatro congregações, o céu, dragão, humano parecido mas não humano, e assim por diante. . Ele os dividiu em duas partes. Uma parte foi fornecida ao Buda Sakyamuni. A outra parte foi fornecida a muitos tesouros - Buddha Stupa. “Endless-Meaning! A Pusa do Mundo-Percepção dos Sons possui o poder da espiritualidade livre como estes, para percorrer o Mundo Saha. Na época, o Pusa Endless-Meaning usava versos para perguntar e dizer: Honrado pelo Mundo tem a aparência milagrosa. Eu agora pergunto a ele novamente. O discípulo budista é por qual causa e condição, Ser nomeado como World-Sounds-Perceiving. Completamente tendo a aparência milagrosa, O homenageado responde Endless-Meaning por verso. Você ouve o comportamento da World-Sounds-Perceiving. Ele habilmente responde a todos os lugares. Seus vastos votos profundos como o mar Mesmo durante os tempos de eras, é inconcebível. Servindo mais de cem bilhões de Buda, Grandes e puros votos são feitos. Eu te digo em breve. Ao ouvir seu nome e ver sua forma ou corpo, Consciente de seu nome incessantemente, Pode extinguir todo o sofrimento. Se um pensamento surgiu para prejudicar as pessoas E empurre-os para um buraco de fogo grande Para pensar no poder dos sons percebendo, O poço de fogo se transformaria em uma piscina. Ou vagando em um vasto mar, Enfrentando as dificuldades de dragões, peixes e todos os fantasmas, Para pensar no poder dos sons percebendo, A onda não poderia afogá-los. Ou estar no Sumeru, Sendo empurrado por outros e caindo, Para pensar no poder dos sons percebendo, Ele iria morar no céu como o sol. Ou ser perseguido pelas pessoas más Caindo na Montanha Vajra, Para pensar no poder dos sons percebendo, Um único cabelo não pode ser danificado. Ou estar cercado pelos ladrões de ódio, Pode ser ferido por cada faca, Para pensar no poder dos sons percebendo, Todos eles teriam o coração da compaixão. Ou encontrando o sofrimento do problema de um rei, Enfrentando a pena e a vida sendo terminada, Para pensar no poder dos sons percebendo, Cada faca seria seriamente quebrada em pedaços. Ou ser preso e com algemas Mãos e pés sendo algemados Para pensar no poder dos sons percebendo, Todos estão aliviados e seriam libertados. Ou pode ser prejudicado pela maldição e todas as ervas venenosas, Para pensar no poder dos sons percebendo, Tudo de volta para a pessoa auto-má. Ou enfrentando o malvado Raksha, Dragão venenoso, todos os fantasmas e assim por diante Para pensar no poder dos sons percebendo, Eles não ousariam prejudicá-lo. Ou sendo cercado por feras do mal, Sendo assustado por seus dentes afiados e garras, Para pensar no poder dos sons percebendo, Todos os animais correm rapidamente para longe. Ou havia a víbora e o inseto venenoso, O gás tóxico e a fumaça queimada. Para pensar no poder dos sons percebendo, Eles seguiriam os sons e voltariam. Ou nuvem e trovão tamborilando para puxar o relâmpago, Queda de granizo e chuva tempestiva, Para pensar no poder dos sons percebendo, Tudo se dissiparia a tempo. Os seres sencientes estão presos por aflições. Dificuldades ilimitadas oprimem seus corpos. A World-Sounds-Perceiving tem o poder da sabedoria maravilhosa. Isso pode resgatá-los do sofrimento mundano. Está cheio do poder de habilidade notável, Pratica amplamente a conveniência da sabedoria. Todos os países em qualquer lugar, Não há lugar que não apareça. Os vários malvados, Esses são infernos, fantasmas e animais Bem como o sofrimento do nascimento, envelhecimento, doença e morte, Todos são eliminados gradualmente.
Está cheio da verdadeira percepção, O limpo percebendo, A sabedoria ampla percebendo, O simpático percebendo, E a percepção benevolente, Todos os seres sencientes estão dispostos a mostrar sua reverência por isso constantemente. Luz imaculada e limpa, Como o sol da sabedoria Isso rompe toda escuridão, Pode subjugar calamidades de vento ou fogo, E brilhantemente brilhe o mundo universalmente. O preceito do corpo compassivo é como tempestades. A mente benevolente é tão milagrosa quanto as grandes nuvens. O melado da lei de Buda chover no tempo é como a chuva. Isso extingue a chama da aflição. Tendo a luta e ação judicial através do tribunal, Sendo aterrorizado no campo de batalha, Para pensar no poder dos sons percebendo, Todo o ódio se retiraria. Sons maravilhosos é o Mundo-Sons-Percebendo, Como os sons sânscritos e sons da maré, Estando além de todos os sons mundanos, Assim, devemos recitá-lo constantemente. Recitando de novo e de novo e não duvide, World-Sounds-Perceiving é o puro santo. Nas dificuldades do sofrimento, problemas e morte, Pode ser dependido e nos proteger.
Tendo todo o mérito e virtude, Olhando para os seres sencientes com olhos benevolentes, A felicidade acumulada incomensuravelmente como o mar, Portanto, devemos obedecer a isso. Na altura, a Pusa Flatland-Holding levantou-se do banco e disse a Buda: “Honrado pelo Mundo! Se qualquer ser senciente ouviu o comportamento livre do Capítulo Percebendo os Sonhos Mundiais de Pusa, que manifestou o maravilhoso poder da espiritualidade pelo caminho universal da porta, saberemos que essa pessoa não tem menos mérito e virtude. ”Quando o Buda disse o universalmente capítulo da porta, os oito e quatro mil seres sencientes da congregação prometeram ter o coração da sabedoria da igualdade suprema-desperta. Tradução original em inglês: Pusa World-Sounds-Perceiving in Universally Door Chapter
Se você acha que os artigos acima são bons para as pessoas, sinta-se à vontade para compartilhar esses artigos com seus amigos.
https://po-bvlwu.blogspot.com/2018/07/pusa-world-sounds-percebendo-em.html
submitted by TaoQingHsu to u/TaoQingHsu [link] [comments]


2017.11.01 18:01 pedrothegrey Blues in Green em uma quarta-feira chuvosa

I.
Arthur tinha tomado café da manhã às pressas. Esquentou a água sem o açúcar e só percebeu quando engoliu o café com a cara de quem tinha mordido uma acerola bem verde. Caminhou até o ponto de ônibus e parecia que iria chover. Colocou seu MP3 S1 fixado no encaixe de cinto da sua calça e mexeu no fone de ouvido até achar a posição certa para fazê-lo funcionar. Mau contato. Havia comprado esse novo modelo com 512MB e receava molhá-lo. Dois dias atrás tinha deixado na lista de downloads do LimeWire um albúm de Jazz, “A Kind of Blue” e finalmente poderia escutá-lo. Trazia também “Feel Good Inc.” e outras duas mais do Gorillaz, uma tal “B.Y.O.B.”, mas achou muito agitada para uma manhã tão calma, “Ace of Spades”, “Cowboys from Hell” e “I Love Rock n’ Roll” do jogo que havia comprado recentemente, Guitar Hero. Era tudo que tinha pois seu MP3 antigo só suportava 128MB e ainda não tinha tido tempo de baixar tudo que queria.
Entrou no ônibus e pagou a passagem, R$ 1,35. Se incomodava sempre com os 35, pois era inconveniente carregar uma moeda de 25 centavos, uma de 10 e uma nota de um real, com seu beija-flor verde. De todo modo, porquê não R$ 1,25? Arthur se sentou e tentou ajustar o fone, que agora foi tirado do preciso milímetro que o deixava funcionando. Ouve-se, alto, “Hello Moto!” e em seguida um alarme com música eletrônica. No banco ao seu lado, um homem revira os bolsos e pega seu Motorola V3. Olha pelo visor, revira os olhos, respira fundo e abre o aparelho. “Alô? Oi, amor. Não, estou no ônibus, pode falar. Uhum, sei... Mas é o... não? Ah, ela fez isso de novo? Vou te dizer, essa menina não tem jeito. Por mim eu a deixava sozinha, sabe? Ela tem 18 anos, ajuntada com aquele homem que não faz nada pra ninguém. Pois é. Aham. Exatamente, ele não trabalha e... É. Nem gasta tempo com isso, sabe? É gastar energia... isso, é gastar energia à toa. Querida, eu preciso desligar porquê meus créditos vão acabar. Se eu puder te mando um SMS quando chegar. Tá bom, beijos.”
Depois dessa conversa apaixonada, Arthur finalmente consegue ajustar seu fone de ouvido, Blues in Green numa quarta-feira chuvosa. Deus, que coisa boa. O ônibus passa por toda sorte de estradas esburacadas, rios espumantes e pela refinaria de petróleo, com suas torres eternamente em chamas, enrusbescendo o céu noturno. Mas não era noite. Arthur havia chegado na Universidade e chovia fino. Uma brisa leve carregava as gotinhas gentis para seus óculos. Sentou na cantina e pediu um café e um pão com manteiga, 25 centavos. Um par de mãos oculta seus olhos.
— Adivinha quem é. - Disse uma voz feminina.
— Camila? - Arthur respondeu, rindo.
— Idiota. - Ela riu uma risada com gosto de Blues in Green numa quarta-feira chuvosa.
— É brincadeira. - E a beijou.
— Sentiu minha falta?
— É claro, sempre sinto.
— Mesmo quando a gente se fala pelo MSN?
— Especialmente nesses dias.
— Deixa eu ver o MP3 novo. - E o mostrou a ela.
— 512 megas? Não sei nem o que colocar aí dentro. - Ela disse.
— Pois é. Eu também estou perdido, acabei baixando algumas coisas novas, mas nem tenho espaço no computador de casa para tanta música.
— Isso porque você ocupa a máquina com seus joguinhos.
— Half Life não é um joguinho, Jéssica. É um marco.
— Eu acho que é um joguinho.
— Você deve ter razão.
— Sempre tenho.
Saíram da lanchonete e entraram no prédio da Universidade. Se despediram com um longo beijo. Jéssica seguiu para sua aula de 8:30h no 9º andar. Arthur parou na sacada do 3º andar e acendeu um cigarro. Observou os pássaros indo e vindo, os carros que saiam de uma pista de via dupla para uma via de quatro pistas e a fumaça do cigarro. Havia já uma semana que alguns cursos da Universidade estavam parados, incluindo o dele. Greve. Por sorte, Jéssica continuava tendo suas aulas. Ele não podia trabalhar pois o curso poderia voltar a qualquer momento e os horários jamais o deixariam ter um emprego fixo. Essa era a terceira greve do ano. Jéssica ainda não sabia da decisão de Arthur quando ele se encaminhou para a secretaria e pediu, mais tarde naquele dia, o cancelamento da sua matrícula.
II.
O dia anterior, uma terça-feira, foi feriado nacional. Caterine e Umberto, pais de Arthur, faziam planos de alterar o jardim. Queriam comprar vigas de eucalipto tratado e construir um tipo de portal extenso, que seria coberto de uma tela aonde se plantaria maracujá ou bougainville. Não era uma má ideia, mas Umberto detestava gastar os feriados trabalhando. Pela velha tirania de ímpeto conjugal, Caterine o convence a ir comprar a madeira. Ele pede para que Arthur o acompanhe e assim ele o faz. Depois de alguns minutos de um silêncio desconfortável no carro, eles chegam a madeireira. Umberto faz toda sorte de perguntas à vendedora, que o recebe com uma simpatia destoante de estar trabalhando no feriado. Ela diz o preço, R$ 60 por nove vigas de um metro e sessenta de altura. Umberto se interessa e segue para o estoque para conferir os eucaliptos, mas vê de imediato que são pequenos demais para o que quer. Desiste da compra, com um sorriso no rosto. Voltam para casa e contam toda a história para Caterine, que desconfia da boa vontade dos dois.
Mais cedo naquele dia, Jéssica havia chamado Arthur para que a fosse visitar, tomar café e ver um filme novo que havia alugado, “Lord of War” com Nicolas Cage. Ela morava a bons dez ou quinze quilômetros de Arthur. Umberto estava sentado na sala, vendo o resultado dos jogos de futebol.
— Ei, pai. Será que eu posso pegar cinco reais para abastecer o carro e sair com a Jéssica? - Arthur perguntou.
— Hm... - E olhou para ele.
Se levantou e foi para a varanda, onde acendeu um cigarro. Por alguns segundos, Arthur achou que ele havia o esquecido. Quando pensou em perguntar de novo, Umberto o olhou nos olhos.
— Olha, eu não tenho como sustentar você, o carro e a garota. A gente tá apertado e você sabe disso.
— Tudo bem, só perguntei mesmo.
— Quando você trabalhar você vai...
— Eu entendi, tá tudo bem.
— Me escuta.
— Não precisa.
— Ah, então que se... - e xingou.
Arthur procurou pelo seu quarto, na sala e na cozinha por todas as moedas que conseguia encontrar. Achou um total de 80 centavos. Ainda não dava para pagar as duas passagens, muito menos abastecer o carro. No computador de Jéssica, um pop-up: “Arthur s2 está online”. “Estou indo, mas vou demorar um pouco.” ele escreveu. E saiu de casa a pé.
Alguns quilômetros depois, cansado, parou e se sentou num banco. Acendeu um cigarro que havia pegado de Umberto à noite. Ele havia parado na frente do edifício do escritório, seu novo emprego. Tinha mandado o curriculum para lá há um mês e o aceitaram como qualquer-coisa-junior. Tinha a impressão de ser sua carta de alforria. Ninguém sabia, nem mesmo Jéssica. Deu uma última tragada e tomou coragem para continuar a caminhada.
III.
Passaram-se dois meses. Era aniversário de Caterine e a família de Arthur iria se reunir. Estava quente, seco e os olhos de Arthur ardiam. Havia se mudado há duas semanas e meia. Sua casa só tinha uma televisão de 29 polegadas em cima de um banquinho de plástico, uma geladeira, cama, fogão e a mesa do computador. Saiu de casa com o estômago embrulhado. No seu computador, pairava uma mensagem de Jéssica: “Tá aí? Podemos conversar?”. Saiu de casa depressa, como se pudesse fugir da situação.
Chegou na festa. Faziam churrasco e a fumaça nublava o ambiente. Música alta e conversas. Tinham por volta de 10 adultos, mais Umberto e Caterine e umas cinco ou seis crianças correndo sem parar. Arthur deu um beijo na mãe e seu presente. Sentou-se, comeu e conversou todos os típicos papos de famílias que só se veem duas vezes por ano. Foi buscar água dentro de casa, Umberto o acompanhou.
— E aí? Como está indo no emprego? - Perguntou Umberto.
— Indo. Nada de novo.
— E a casa? Conseguiu resolver a documentação?
— Amanhã eu vou terminar.
— E a Jéssica? Tudo bem? Porquê ela não veio?
— Não sei.
— Vocês estão...
— Eu não sei.
— Ela deve ter ficado chateada porquê você largou tudo.
— Duvido.
— Vocês começaram a brigar depois disso, não foi?
— Não.
— Bom, ela deve ter ficado chateada por isso.
— É você que está incomodado com isso.
— Eu sempre achei que você poderia fazer coisa melhor.
— Eu também.
— E porquê você não estudou para aquele concurso?
— Não sei.
— Seu problema é só preguiça. Você tinha o mundo nas mãos.
— Eu ainda posso tentar fazer um concurso.
— Você vai mesmo?
— Não sei.
— Imaginei que não.
A noite chega e Arthur segue para casa. Senta-se na cadeira do computador e mexe o mouse. O monitor de tubo faz estática na tela e o desktop começa a ganhar vida. Quinze mensagens de Jéssica, todas muito grandes. Ele não lê. Segue direto para o banho e depois deita na cama, virado para a parede. Sentia um formigamento na barriga que ia ficando cada vez mais forte, até se tornar dor. Seu coração palpitava cada vez mais forte enquanto sua mente tentava não pensar em tudo aquilo. Nas mensagens e nas decepções... Ele tentava esquecer. Tentava lembrar das músicas novas que havia baixado e dos filmes que iriam lançar no ano seguinte. Mas os filmes ele veria com ela. Não tinha importância, ainda teria lugares para ir, coisas para ser. Ele poderia trabalhar ainda mais longe da família. E esqueceu do seu esforço para esquecer. "E se acabasse? E se ela realmente me deixasse? Não, isso não vai... Vamos conversar e resolver isso. Mas e se realmente... Não, ela só quer conversar mesmo. Nós vamos conversar e ir ao cinema depois. Mas...".
A garganta de Arthur dói, seus olhos ardem. Ele continua olhando para a parede tentando não pensar em nada. Um barulho na porta. Arthur respira, se levanta da cama e tenta não desabar. Encosta, tremendo, na maçaneta e abre a porta. Não era nada. Ele inventou esse barulho na sua cabeça. As dores vão embora mas Arthur continua a tremer. Ele ri da sua situação. Se deita novamente, olhando para a parede. Um barulho de pop-up (o barulho personalizado de Jéssica). As dores voltam lentamente. Deitado de bruços, ouve seu coração batendo como se fosse o de um touro. Sua respiração indo e vindo sem qualquer padrão, enchendo seus pulmões com lufadas de ar irregulares. Pulmão lhe fez lembrar de fumar. Acendeu um cigarro perto da janela. Tragou fundo e sentiu suas pernas fracas e a cabeça pesada, como se fosse o primeiro cigarro. Questionou se era efeito da nicotina. De repente, um novo barulho na porta. Toc toc toc. Com um cigarro aceso na boca, a fumaça lhe queimando os olhos e provocando lágrimas, ele abre a porta.
— Arthur... Precisamos conversar.
submitted by pedrothegrey to EscritoresBrasil [link] [comments]


2017.09.11 12:34 gilsonvilain Dorocaso — Corações de Areia

Dorocaso Corações de Areia
“Essas alegrias serão jogadas ao esmo. A areia vai consumir suas lembranças até a última gota, e quando não sobrar mais nada você vai virar areia.” Jochasta, rainha dos esquecidos.
De pé ele olhava para as nuvens no céu sem sentir seus pés. Caminhando eternamente sem destino, elas vagavam escuras e carregadas como ele nunca havia imaginado. O solo é engolido pelo breu e os escorpiões alaranjados saem da areia. Cavando e cavando, centenas de lacraus submergem do da escuridão, brilhando e batendo suas garras como soldados marchando para o combate. O medo lhe puxa pela espinha, mas suas mãos estão vazias. Ao longe uma sombra de luz surge na imensidão.
-Davi! A cidade chegou! Davi! Você ainda não acordou? –Disse Franz ao lado da porta. Seus cabelos loiros iluminavam demais para sua vista adormecida. Piscando com força seus olhos, devagar ele se esticava na cama de esponja até sentir suas articulações despertarem. –Hoje não é o seu dia de vender as beterrabas? –Como um soco no peito ele se levantou. O sol já se erguera, e ele ainda estava ali.
-Chuva! –Disse o rapaz se pondo de pé velozmente, apenas para sentir uma tontura e perder parcialmente a visão tendo que se apoiar nas paredes para se manter. Calçando os sapatos escuros e com cheiro engraçado ele se ergueu novamente. Desviando das pequenas lâminas curvadas no chão, ele achou seu caminho até Franz.
-Eu e o Caiou já colocamos as caixas no Sableridge, até que horas você ficou afiando as talons? –Disse o Franz cedendo espaço para que Davi passasse correndo para as escadas. –E não esqueça de comprar um filtro novo para o reservatório!
Subindo as escadas como um lobo atrás de sua presa, Davi vê de relance Seth, Nami e Gilli sentados na mesa da cozinha. –Até as crianças já estão acordadas e eu aqui. –Subindo as escadas enquanto afivelava o cinto marrom, ele se voltou para a janela, olhando ao fundo a grande cidade cinzenta parada no deserto. –Mau dia! –Disse ele pegando a máscara azul presa na parede ao lado do espelho retangular e a colocando em seu rosto. Apertando o fecho e pressionando o único botão em sua lateral, ela se acendeu em um branco fraco. –Ah não!
Olhando a lateral do respirador ele passou o dedo por cima de pontinhos roxos que cercava o gradeado da máscara. Com o polegar pelo lado de dentro ele pressionou o puxador, fazendo as grades se abrirem e liberando a película tomada por centenas de micro pontos que variavam de roxo até rosa fraco. Davi abriu o armário de metal embaixo do espelho deixando que uma brisa gélida saísse. Colocando a película para dentro, fechou a porta e acertou o tempo para quinze segundos. Olhando novamente o espelho ele notou várias manchas de sangue coagulado em seus ombros e braços. Davi deu a volta e foi até a impressora amarelada de sujeira. Pressionando o menu ele selecionou a cor, comprimento da manga e por fim o tamanho, fazendo que a máquina emitisse um som agudo e constante ao passo de que o armário embaixo do espelho soou três apitos seguidos. Retirando a película sem luvas Davi sentiu como se seus dedos fossem derreter, só então sentindo o real frio quando encaixou a lâmina branca de volta na máscara. Vestindo a camisa bege de manga comprida, ele religou o respirador que se acendeu em um branco forte.
Fechando a porta de trás e abrindo a da frente ele foi em direção ao Sableridge. Vários arranhões circundavam o veículo encouraçado, as duas esteiras frontais estavam gastas mas não chegavam ao nível de desgaste dos pneus traseiros. Estes foram remendados tantas vezes que Davi já não sabia se eram feitos de borracha ou de remendo. A lataria perfurada era estrategicamente escondida pela sujeira e a lama viscosa das estradas. –As chaves! –Pensou ele batendo as mãos nos bolsos, só para perceber que não portava nenhuma. –As chaves! Gritou ele em direção a toca.
-Já estão dentro! - Disse Caiou do segundo andar. Davi Se aproximou do painel e ouviu o som de motor. Ele se voltou para Caiou e assentiu com a cabeça.
Poucas estradas cruzam em direção ao grande deserto. A pista de fogo sai da capital até o batalhão especial no sul, circulando o continente e passando por todas as grandes vilas. Usando areia vermelha para montar seus tijolos, a pista de fogo era o jeito mais fácil e seguro para aqueles que não possuíam problemas com o Armata. Ao seu lado muitas trilhas foram feitas ligando pequenas vilas até a pista de fogo, como galhos em um tronco. A estrada de pedra sai das grandes montanhas e se conecta com as estradas de terra, geralmente usadas por contrabandistas ou fugitivos, uma vez que não haviam patrulhas. Davi saiu da toca e seguiu em frente pegando a estrada de barro, o caminho que ele mesmo batizara, ligando a toca até a vila das palmeiras a oeste. Com uma agricultura rudimentar, a vila das palmeiras resistia apenas pela criação de roedores. Fáceis de alimentar eles eram a moeda de troca de algumas dezenas de famílias. De lá ele pegou a estrada de ferro, cruzando a floresta das almas até o grande deserto ao norte. Dali ele já conseguia ver as marcas de pneus na areia, sinal de que estava atrasado. Acelerando ele sentiu o veículo trepidar e perder força, mantendo o acelerador pressionado enquanto reduzia a marcha. Ainda assim a força havia indo embora, e ele seguiu até a pista de fogo na velocidade de um homem correndo. Devagar ele viu rasgando o deserto azul e branco. Mais de mil passos de largura, e outros oito mil de comprimento, com esteiras maiores que a vila das palmeiras, e com pistões mais fortes que dez mil homens, marchando para cima e para baixo, em um compassar estrondoso. Maciça e barulhenta, ela cavava com seus pistões exteriores descendo e subindo como um ferreiro batendo seu martelo, se enterrando mais fundo naquela areia sem dono, ela descansava enquanto ele se apressava. Apertando o pé contra o pedal e tentando aumentar as rotações, ele notou um grupo de pessoas segurando placas. Davi não conseguiu ler o que estava escrito, as manchas azuladas em suas peles tiraram sua atenção. Engatinhando pela estrada de fogo, ele rumou ao sul do titã encouraçado, seguindo outros veículos que jaziam estacionados ali.
Davi estacionou o sableridge ao lado de uma motocicleta de propulsão amarela. Algumas dezenas de veículos estavam ali, ainda assim Davi se surpreendeu com a baixa quantidade. Em temperaturas amenas, aquele pátio sempre estivera lotado de lanchas terrestres e caminhões. No porta-malas ele retirou as quatro caixas cheias de beterrabas, cada uma pesando metade de seu peso. Suas veias saltaram por entre a pele, e com um urro de vontade ele as ergueu caminhando lentamente até a entrada norte.
-Vento! Eu preciso ir até o templo das Lamentações! –Disse uma voz vinda de trás de Davi. Ele girou sua cabeça para procura-la mas no instante seguinte ela havia sumido. –Você tem um carro, pode me levar lá? –Disse a voz. Davi abaixou as caixas e conseguiu ver a moça a sua frente. Bem menor do que ele suspeitava, ela se erguia pouco a cima das quatro caixas deixadas no chão. Olhos cinzentos e lábios fartos, ele não conseguiu distinguir mais nenhuma caraterística dela, além de sua barriga proeminente e arredondada.
-Eu estou indo vender beterrabas na vila. –Disse ele olhando seus braços finos e curtos. –Esse templo fica no norte, não acho que tenha alguém de lá por aqui. –Disse ele se abaixando para pegar as caixas.
-Você não entende, eu preciso ir lá! –Disse ela erguendo a voz e riscando a areia com seu pé.
-Eu entendo, mas agora eu não posso fazer nada para te ajudar. –Disse erguendo novamente as caixas e a perdendo de seu campo de visão.
-Você pode depois? –Perguntou ela com um tom mais doce. Davi começou a andar e não olhou mais para trás. –Vou te esperar aqui!
-Não foi isso que eu quis dizer. –Falou ele alto o suficiente para ouvir suas palavras ecoarem pela vastidão seca, mais baixo o suficiente para não ouvir resposta alguma.
Se arrastando para frente, uma moça de cabelos escuros e longos passou por ele, porventura as caixas ainda tapavam sua visão frontal, o impedindo de conseguiu ver seu rosto. Ele gostava da ideia de andar sem ser percebido. Ao seu lado as vozes vindas da cidade se intensificavam, o empurrando para frente. Ouvindo passos na areia, ele inclinou a cabeça para ver um homem baixo com uma barriga proeminente caminhando de mãos dadas com uma menina de cabelos alaranjados. Os escorpiões voltaram a sua cabeça, e ele desejou que Nissa falasse algo que o puxasse de volta, mas ela estava na toca.
-Chuva! Posso ajudar? –Disse o homem com turbante branco, portando uma máscara amarela e uma barba escura e rala. Davi abaixou as caixas e suspirou por um segundo relaxando os ombros. O homem flexionou os olhos e pequenas bolsas de pele surgiram em cima de suas bochechas.
-Chuva! Eu vou vender as beterrabas. –Disse ele esticando a mão em direção ao homem.
-Os vendedores de comida já estão localizados no setor dois, penso que não há mais espaço para estandes. –Disse o homem o olhando de queixo erguido.
-Eu me atrasei. –Disse Davi abaixando o braço e se aproximando. -Mas eu tenho uma reserva. –Disse batendo as mãos nos bolsos. -E eu conheço o prefeito. –Disse Davi gesticulando com suas mãos armadas em veias proeminentes enquanto ele abria os bolsos internos da camisa.
-Certamente que não conhece. –Disse o homem de turbante. –Uma vez que eu não tenho nem ideia de quem é você, e eu sou o prefeito; Alouite Seeiso. –Disse o homem dois palmos menor que Davi, erguendo ainda mais o queixo para cima. Davi desistiu de procurar a licença e coçando a cabeça.
-Eu deixei na outra camisa! –Percebeu ele olhando para o céu. -Na verdade o prefeito que eu conheço se chama Timothy, ele tem cabelos escuros, é magro e... –Disse Davi gesticulando as medidas com as mãos. –Alto.
-Ah. –Disse Alouite. –Esse é o segundo prefeito. –Disse abaixando a cabeça e apertando os dentes. –De qualquer modo eu sou o prefeito para os assuntos externos da vilavassoura. Eu cuido de quem entra e quem sai.
-Eu sei. –Disse Davi sorrindo por debaixo da máscara. –O Thimoty cuida da manutenção da vila, proteção das pessoas, educação dos jovens, tratamento dos enfermos, conserto das máquinas, contrata os seguranças. –Enumerou Davi olhando para as beterrabas ardendo no sol do deserto. –E o senhor cuida de quem entra e sai. –Disse Davi se mordendo para não o chamar de porteiro.
-Thimoty tem suas funções, eu tenho as minhas. –Disse ele se virando de costas. -E o período para alocação de novos estantes já se encerrou.
-Eu também preciso comprar um filtro. Já acabou o período de entrada de compradores também?
-Hum. –Disse o prefeito de turbante declinando o queixo e encarando os tubérculos. –Você entra, as beterrabas não.
-Tudo bem, quando eu encontrar um vendedor de filtros, eu peço para ele vir até aqui fora retirar o pagamento, o senhor toma conta delas para mim? –Perguntou ele levantando uma caixa e colocando aos pés do prefeito. O homem bufou mais forte e se voltou para recolocar a caixa em cima das outras. Buscando todas as forças de seus braços flácidos, o prefeito ergueu a caixa poucos centímetros do chão, soltando suas alças e voltando a ficar ereto.
-Leve isso daqui. –Disse Alouite ofegante.
-Obrigado senhor prefeito! –Disse Davi erguendo as quatro caixas e seguindo em frente para a o portão de acesso.
-Bem-vindo a vilavassoura. –Disse ele em um tom seco. –Espero vê-lo novamente. –Apertando os olhos e ajeitando o turbante.
O chão de areia afundava a cada passo de Davi. Jogando areia para trás, ele sentia que a cada passo andava menos. Pisando em falso sentiu a areia dar lugar a tábuas de metal. Forçando os joelhos ele subiu a entrada que se elevava pelo menos oito passos do nível do chão. A grande fachada esculpida em madeira e aço, dizia “Village de Balai Cinq”, vilavassoura em uma língua antiga. A gigante de aço possuía metralhadora automáticas acopladas a parte de dentro apontadas para o chão. Aportando e um lugar diferente a cada dois dias, a bordo ela levava mais pessoas que ele conheceria sua vida inteira. Mais cores de cabelo do que tons de céu, mais vozes do que mil autofalantes. O cheiro das comidas, mesmo passando pelo respirador, já encharcava Davi por dentro. Olhando para o arco de entrada, ele viu seis guardas carregando fuzis e ao seu lado um grupo de pessoas rodeando um grande homem de cabelos longos e encaracolados. Davi abaixou as caixas para conseguir olhar por cima, fazendo seus músculos guincharem por dentro, mas seguindo em direção as pessoas.
-Eles andam em caravanas. Centenas de milhares. Caminham até as vilas, e lá destroem tudo. Nada fica para trás, nem os habitantes, é terrível! –Disse a senhora de cabelos curtos usando uma camisa de flores brancas, combinando com sua máscara.
-Devem ter sido mandados pelos homens de sabão. Eles estão há décadas se alastrando pelo litoral. –Disse o senhor de máscara lilás com um guarda-chuva em mãos.
-Não são os homens de sabão, quando paramos na vila da pedra, um soldado me disse que eles comem as pessoas e usam os ossos como adereços, isso é coisa do povo vermelho! –Disse o senhor careca usando um roupão verde.
-Estamos seguros aqui. –Disse o homem no centro, rodando os dedos por entre os fios de cabelo que caiam por seus ombros. –Além disso, todos os relatos são de vilas no Norte. Não há nenhum indício que ela esteja marchando para cá.
-O bosque vermelho foi dizimado. A fumaça chegou até a capital. Quando a Armata foi para o socorro, só haviam cinzas. –Disse a senhora. O homem alto inclinou a cabeça atento a suas palavras quando no meio da multidão, algo pescou sua atenção.
-Com licença. –Disse o homem alto esticando o braço. –Davi?
Davi o olhou e sorriu, ganhando espaço em meio ao aglomerado, colocou as caixas no chão esticou a mão e apertando o antebraço do senhor.
-Chuva Prefeito! –Disse ele chacoalhando o braço e sentindo os dedos finos e longos se apertarem em sua pele.
-Veio vender amoras? –Perguntou o homem de pele clara e lábios roxos e esticados.
-Pretendia. –Respondeu Davi apertando os olhos e observando as beterrabas por um instante até retornar os olhos para o prefeito. Ao seu lado havia uma grande porta dupla de vidro que guardava o estreito corredor em frente, lotado de pessoas andando por entre as lojas. O prefeito girou sua cabeça na mesma direção e coçou o nariz pontiagudo.
-Vamos ver onde eu consigo colocar você. –Disse Timothy dando um tapa em seu ombro. Davi pegou as caixas nos braços e o seguiu enquanto ele entrava na antessala do tumulto. As vozes se mesclavam a multidão atrás do vidro, podia se ouvir tudo, mas nada se entendia.
-Não vi você aqui mês passado. –Disse o prefeito erguendo os braços enquanto a primeira porta de vidro se fechava. No mesmo instante um jato de fumaça quente e clara saiu do chão e inundou toda a parte enquanto o prefeito retirava o respirador. Alguns segundos depois a fumaça se esvaiu pelo teto e a segunda porta se abriu dando acesso ao corredor.
-Mês passado. –Repetiu Davi erguendo as caixas de madeira. –Deu um vazamento lá em casa, tive que desligar todas as saídas de ar, perdemos boa parte da colheita.
-Sinto muito. Suas batatas são ótimas, as cenouras nem tanto. –Disse ele espiando as beterrabas por entre as frestas da caixa. –Você teve mais alguma notícia do Colm? – Davi balançou a cabeça. A mão do prefeito veio ao seu ombro mais uma vez enquanto ele sorria olhando para o chão. -Já pode tirar o respirador. –Disse o prefeito olhando Davi. Cerrando os olhos ele abriu a boca por um suspiro e a fechou. –Eu esqueci, o Colm me contou, mas eu esqueci, desculpa. –Disse ele enquanto Davi erguia o ombro e coçava a cabeça.
Adentrando a multidão de pessoas andando por entre as lojas, o prefeito achava brechas entre os cotovelos e ombros para Davi passar sorrateiramente, avançando entre bolsas e mochilas, sua altura lhe forneci uma visão privilegiado do pátio interno. Alguns passos para frente e uma voz chamou “prefeito! ”. Thimoty se virou e viu um sujeito de pele escura com olhos vermelhos. Com os dedos o prefeito gesticulou pequenos círculos, voltando sua cabeça para frente e seguindo até a segunda parte sem se virar para trás.
-Aqui estamos! –Disse o prefeito olhando o círculo de vendedores sentados em frente a caixas de legumes. –Você vende amoras, amoras são como alfaces não? –Perguntou ele, jogando um cacho de cabelos para trás enquanto olhava para as alfaces.
-Os dois são plantas, mas acho que beterrabas entram mais na sessão de raízes. –Respondeu Davi.
-Hahahahaha raízes! Mas não vendemos árvores aqui, e o único estande que tem espaço é o da alface. –Disse ele apontando para as folhas verdes e crespas. Davi virou a cabeça, mas não disse nada, apenas sorrindo para o prefeito e colocando as caixas no chão. –Chuva minha menina! Qual seria o seu nome? –Perguntou ele piscando para a jovem de cabelos escuros sentada atrás das caixas da alface.
-Naya. –Disse ela entortando a boca e olhando Davi de baixo para cima. –Naya Avilis, senhor. – Seus cabelos se agrupavam em cachos pequenos e longos. O delicado nariz arrebitado apontava para Davi enquanto ela falava com o prefeito. Davi apertou os punhos para tentar sair do seu encanto, mas já tinha certeza que estava encarando a jovem a tempo de mais.
-Este menino tem problema. –Disse o prefeito em direção a Davi, que mesmo assim não tirou os olhos de Naya. –Ou teve um problema. Ele pode dividir o espaço com você hoje? –Perguntou se abaixando e analisando de perto as hortaliças.
A jovem olhou sem expressão para Davi, que corou em menos de um suspiro. Ela ergueu o braço e puxou ar para argumentar, mas virou a mão e o olhou de lado.
-Achei um lugar para você! –Disse o prefeito voltando a ficar de pé. –Vocês se acertam então, eu vou ali procurar algum nabo. –Disse ele sorrindo e andando em direção aos tomates.
-Com licença. –Disse Davi colocando as caixas roxas ao lado das verdes. –Eu me chamo Davi. –Disse ele esticando o a mão em frente. A jovem sorriu e apertou seu antebraço.
-Naya. –Repetiu ela cedendo espaço para que ele dividisse a caixa ao seu lado. –Você por acaso não tem nenhum anel de vilírdia, tem? –Perguntou ela observando um roxo no pescoço de Davi. Ele balançou a cabeça tapando o machucado com a mão direita. –Imaginei que não. –Disse ela erguendo a sobrancelha ao olhar o respirador branco. –Você já foi lá? –Perguntou ela enquanto Davi levantava as sobrancelhas e fazia um beiço com os lábios. –Eu nasci lá. Em Viliris. Você é daqui?
-Eu nasci no Norte. –Mentiu ele. -Uma vila comerciante. –Disse engolindo em seco e levando os olhos até o rosto dela. –Onde fica Vilirdis?
-Viliris. Você nunca ouviu falar? –Perguntou ela abaixando as sobrancelhas e erguendo as bochechas. –Eu saí de lá ainda muito pequena, mas ela fica no extremo leste, entre mares. –Disse ela erguendo a mão e gesticulando uma onda. –No encontro de três continentes, uma linha traçada nos oceanos, delimita a vida e a morte poente, a água dá início e fim aos planos, construindo a ferro e fogo; o tridente, E costurada através dos séculos; mil anos, surge no mar da primeira e última corrente, Viliris, a cidade com sangue dos tiranos, viva para sempre, Viliris, a cidade descontente. –Cantou ela abaixando a mão ao final.
Davi a olhou boquiaberto. Nunca ouviu da cidade, mas as palavras deixavam sua boca com pétalas se soltam de flores no outono. Sua pele lisa acendia entre o cinza das paredes. Seus olhos escuros puxavam sua alma para dentro, e ele já não tinha forças para segura-la. Suspirou fundo e balançou a cabeça.
-Ela fica... no mar? –Perguntou ele encarando as alfaces.
-No Nemo. –Disse ela tirando o cabelo da frente dos olhos. –O ponto mais distante da terra entre os três continentes. –Disse abrindo um tímido sorriso. –Um dia eu vou voltar para lá.
-Quanto pelas batatas rosas? –Perguntou o homem alto de cabelos castanhos curtos que se aproximara usando uma capa marrom e um colete escuro, com braçadeiras pretas que vinham até os pulsos, e duas grandes cicatrizes no pescoço.
-São beterrabas. –Disse Davi se levantando e pegando uma da caixa.
-Batatas, baterrabas, tudo a mesma coisa. –Disse o homem estreitando os olhos. Passando a mão por dentro do colete, ele retira uma corrente avermelhada e a entrega para Davi. –Doze batatas rosas? –Perguntou ele. Davi olhou para a corrente e esticou a mão para pegá-la. Passando os dedos entre os elos e olhou de volta para o homem.
-Oito. –Disse Davi. O homem passou a mão em outro bolso e retirou um pequeno brinco prateado e o colocou na mão de Naya.
-Doze. –Disse ele rangendo os dentes enquanto ela olhava para a joia. Davi se voltou para Naya que segurava o brinco em frente aos seus olhos.
-Doze. –Repetiu Davi assentindo com a cabeça. O homem retirou a mochila das costas e começou a escolher as beterrabas. Naya entregou o brinco a Davi que o segurou com as pontas dos dedos. O brinco imitava o formato de uma orelha, adornado de pequenas pedras azuis, ele formava uma ponta no topo. Voltando-se para o homem, Davi já não o encontrava a multidão de pessoas andando entre as vendas.
-Bonito esse brinco. –Disse Naya passando o dedo por sua ponta.
-Você quer? –Perguntou ele corado.
-Ele é seu. –Disse ela se afastando.
-Eu não uso brinco, ele iria ficar bonito em você. –Disse ele esticando a mão em sua direção. Ela o apanhou e colocou na orelha esquerda.
-Como ficou? –Perguntou ela.
-Sen... –Disse ele buscando ar nos seus pulmões. –Sensacional. –Completou sorrindo.
-Mas eu não te conheço, não posso aceitar um presente assim. –Disse ela desatarraxando o pingente.
-Não, é um presente. –Disse Davi esticando seu braço em direção as hortaliças e pegando uma folha verde e molhada. –É uma troca. –Disse ele mordendo a alface com força e empurrando o resto da folha para dentro da boca. Naya riu e colocou o brinco de volta.
Antes do sol chegar no topo, todas as beterrabas já haviam sido trocadas, ao passo que mais da metade das alfaces esperavam paciente nas caixas de madeira. Davi já havia aprendido sobre o período de Naya em Viliris, sobre o Vento, o barco de seu pai que havia cruzado todos os mares baixos da costa entregando tâmaras do oceano. Dos monstros antigos que ameaçavam os cargueiros a cruzar os estreitos de pedra. Do tempo em que Naya morou nas minas de marfim com sua tia, das aventuras nas montanhas azuis, de sua vinda até a vilavassoura. Davi podia ficar ali o ano inteiro a ouvindo falar.
-Eu moro em uma “casa” na floresta. –Disse Davi apoiado na borda da vila vassoura apontando para o horizonte. –Você continua por aquele caminho até a vila das palmeiras e vira para a estrada de barro.
-Eu preciso ficar aqui a tarde, você não volta amanhã? –Perguntou Naya olhando as árvores dobradas. Davi balançou a cabeça olhando para baixo. –Meu pai é dono de uma empresa de mineração perto daquela montanha ao sul. Talvez eu volte para visita-lo um dia. Se você me convidar para conhecer a sua casa, talvez eu aceite o sofrimento de passar um tempo com ele.
-Ele é mau com você? –Perguntou Davi se voltando para ela. Na parte de fora do mercado, os dois se escoravam na lateral da cidade de aço. Naya usava um respirador vermelho com azul. Davi pensou em sugar todo o ar do mundo só para poder ver seus lábios mais uma vez.
-Ele é ausente. –Disse ela olhando para a amontanha verde. –Desde que ele deixou o barco e criou raízes na terra, ele não tem tempo para mais nada.
-Se você quiser ir lá em casa, eu acompanho você até essa fábrica. –Disse ele sorrindo por debaixo da máscara.
-Gostaria de ver você tentar. –Respondeu ela o olhando no fundo de seus olhos. –Você é diferente Davi. –Ele se virou de costas para a borda da cidade se encostou com as costas e cotovelos.
-Diferente bom? –Perguntou ele inclinando a cabeça.
-Diferente, porque você tem tantos roxos pelos braços? –Perguntou ela se voltando para examinar os machucados.
-Ah isso. –Disse ele olhando para um grande hematoma no seu pescoço. –Você me acompanha até a toca, e eu te conto o que você quiser saber sobre mim.
-Hum. –Disse ela torcendo o lábio. –Isso é um encontro? –Perguntou ela erguendo as sobrancelhas.
-Não, isso é só uma conversa. –Respondeu ele observando o brinco em sua orelha esquerda. –Quando eu te ver de novo será um encontro.
-Me diga algo primeiro. –Disse erguendo as sobrancelhas. –Porque você entrou no mercado de máscara? –Os pelos nos braços de Davi se eriçaram e ele baixou os olhos, dando um passo para trás.
-Eu preciso ir. –Disse ele diminuindo em tamanho.
-Desculpa. –Disse ela. –Eu não queria...
-Não há nada por que pedir desculpas. –Disse ele se aproximando das caixas vazias deixadas no chão. –Eu não me importo tanto com isso. –Disse ele desengatando a fivela que prendia a máscara branca. Devagar ele a abaixou segurando a respiração. Engatando novamente suas pontas ele puxou o ar com dificuldade até o respirador se acender em branco. –Mas as pessoas olham muito quando eu fico sem. Por isso prefiro ficar com ela.
-Com quantos anos você saiu de lá? –Perguntou ela deixando que as lágrimas corressem soltas sem se importar.
-Eu não sei. –Disse ele sorrindo com os olhos. –Minha mestra me tirou de lá, eu conto meu aniversário a partir daí.
-Entendo. –Disse ela limpando os caminhos deixados pelas lágrimas em seu rosto. –Então, eu passo a vila das palmeiras e viro à esquerda?
-Esquerda de quem vêm, direita de quem vai. –Disse ele caminhando em direção a saída da vilavassoura.
-Eu vou mesmo hein. –Disse Naya passando os dedos no brinco esquerdo.
-Assim espero. –Disse ele erguendo a mão e a balançando no ar. –Chuva Naya de Viliris!
-Chuva Davi! –Disse ela já distante.
Caminhando até o sableridge com as caixas vazias, tudo o que Davi conseguia fazer era reviver em sua mente as lembranças que recém fizera. Entoando as falas e buscando por detalhes que havia deixado passar. Naya deixou seus olhos, mas não sua mente. O cheiro doce. Desejou poder sentir aquele perfume para o resto da vida, mas tudo o que tinha era ar filtrado.
Caminhando sem pensar, avistou o sableridge, agora com muitos veículos ao redor. Sem pressa ele depositou as caixas no seu porta-malas e deu a volta para ir embora. Entrando ele fechou a porta e esticou a mão para puxar o cinto, olhando para o lado e sentindo seu coração apertar tanto que poderia sair do lugar.
-Agora você me leva? –Perguntou a moça grávida sentada ao seu lado. Davi não gritou, mas sentiu sua alma tremer.
-O que você está fazendo aqui dentro?! –Perguntou ele soltando o cinto a abrindo a porta.
-Você disse que me levaria. –Respondeu ela afivelando o cinto.
-Não! Eu disse que... –Começou ele apontando seu dedo, só então tentando lembrar do que havia dito. As palavras se enrolavam em sua mente, mas ele tinha noventa por cento de certeza de que não havia dito aquilo. Olhando para dentro ele viu os olhos da moça se abaixarem enquanto ela erguia os lábios inferiores para frente. –Eu não vou para lá. Posso te deixar na vila das palmeiras, de lá talvez você consiga alguma carona. A moça concordou com a cabeça, e Davi reentrou no sableridge.
Dirigindo em silêncio para fora da cidade na areia, Davi notou quatro motocicletas estacionadas na entrada da floresta que dava caminho para a estrada de ferro. Olhou para os lados, mas não viu ninguém, decidindo por seguir em frente. Pensou que se tivesse com a Ajna, poderia rever seu rosto depois, mas com a incerteza das vilasvassoura, talvez tudo que restasse fosse aquela memória malformada ainda.
Acelerando em frente o veículo começou a falhar perdendo força. Reduzindo a marcha as esteiras forçavam o carro sem resultado. Duas motos de propulsão surgiram em meio as árvores retorcidas e tomaram a frente do veículo. Davi pisou o acelerador, mas as rotações não aumentavam, permanecendo pouco mais rápido que um homem caminhando.
-Ele não anda mais que isso? –Perguntou a moça olhando para o velocímetro no painel. Davi tirou os olhos do volante e examinou as marcas no chão, só então se voltando para ela.
-Peixe dado não se olha as ovas. –Respondeu pisando fundo no acelerador sem retorno. Ao longe um ronco começou a crescer. Olhando pelo retrovisor ele viu quatro motos se aproximando.
-Talvez eles possam ajudar. –Disse ela olhando com seus olhos cinzas pelo retrovisor.
-Você conhece eles? –Perguntou Davi olhando os quatro homens descerem das motos com armas em mão. Ela balançou a cabeça se apertando para trás. Parando ao lado da porta do carro, um homem a apontou um revólver para Davi. Segurando o volante com mais força e retirando o pé do acelerador, o carro morreu.
-Sai todo mundo! –Disse o homem do lado de fora. Davi olhava fixamente para a moça. Respirando forte ele não sabia como havia sido tão ingênuo. Claramente ela conhecia eles. O velho truque da laranja que prepara o terreno para seus amigos. Seu sangue fervia em suas veias, e ele sentiu vontade de dar um soco naquela barriga falsa. Mas aquela arma era o problema principal, por enquanto
-Calma amigo, a gente só quer o que você ganhou lá dentro. –Dizia outro homem de ombros largos e cabelo curto, usando um respirador azul escuro, ao lado da porta do carona. Suando frio, ele não ousou olhar para o porta-malas, onde todo o seu ganho daquela manhã estava guardado.
Davi respirou fundo e retirou o cinto de segurança, apertando o botão vermelho abaixo do volante antes de ser puxado pela fora pelo homem que se agarrara ao seu pescoço, o jogando no chão. O homem careca se aproximou e começou a dar tapas nas pernas e braços de Davi que tentava se recompor.
-Limpo. –Disse o careca se afastando.
-Se vocês continuarem assaltando os clientes da vilavassoura, eles vão apenas parar de vir aqui. –Disse Davi olhando o homem de máscara azul enquanto outros dois entraram no sableridge revirando os bancos em busca de algo. A grávida estava em pé do lado de fora segurando sua barriga falsa.
-A gente segue ela, problema nenhum, sabe. –Disse ele fixando os olhos escuros em Davi. –Mas pelo visto você já tem um costume de ser assaltado, sabe. –Disse ele olhando para os roxos nos braços de Davi.
-Mais ou menos. –Respondeu ele olhando para trás. Um distante ronco de motor vinha em direção a estrada de fogo. Davi só conseguia pensar em quanto odiava surpresas.
-Tem uma luz piscando aqui dentro. –Avisou o homem de barba grisalha de dentro do carro.
-Você chamou alguém? –Perguntou o homem de azul dando um tapa no rosto de Davi. –Eu queria fazer as coisas sem violência, mas vocês sempre pedem, sabe. –Disse ele puxando a arma de trás das costas e apontando em direção ao barulho.
-Não chamei ninguém. –Disse Davi vendo no horizonte um veículo preto se aproximando, enquanto sentia seu rosto esquentar. Davi estava tão confuso quanto eles, o carro parecia ser de Thimoty. O homem deu-lhe mais um tapa com as costas da mão e Davi caiu de joelhos segurando a máscara. Do chão ele viu o assaltante disparar uma saraivada de balas em direção ao carro, fazendo que ele virasse para o lado e batesse em cheio a uma árvore, levantando uma nuvem de areia.
Thimoty, aquele era o carro do prefeito. Rodas prateadas, capô adornado em madeira. O que ele estaria fazendo ali, se perguntou no chão.
-O que a gente faz Tellius? –Perguntou o homem careca.
-Vá ver quem está lá! –Urrou o homem de azul apertando os dentes. Correndo em direção ao carro preto, um vulto abriu a porta e saiu mancando escorando-se nas árvores.
-Quem vem lá? –Perguntou o homem careca apontando seu revólver. Uma voz doce veio em resposta, atiçando os nervos de Davi ao máximo.
-Naya. –Disse ela erguendo as mãos enquanto o homem se aproximava.
Davi olhou para cima ignorando a conversa entre os dois. Procurando no céu, ele ainda não havia encontrado nada.
-Não vai chover hoje não garoto. –Disse o homem de azul rindo em pé a sua frente. –Tragam a menina, tenho um amigo que pagaria bastante por ela, já essa grávida aí...
-Não é chuva que eu espero. –Disse ele vendo um risco no céu.
O homem abaixou o rosto para olhar novamente para Davi, sendo surpreendido por uma cabeçada em seu estômago. Davi se levantou e subiu em cima do carro gritando “Aqui, aqui! ”. O risco no céu voava rápido e ao se aproximar largou uma grande caixa de metal em cima do veículo, balançando sua estrutura e levantando uma grande nuvem de poeira e detritos.
-Maldito! –Disse o homem de azul no chão com uma mão na barriga e a outra tapando os olhos contra a poeira. –Eu vou te picar inteiro e te jogar para os peixes, sabe! – Ao seu lado a grávida corria para dentro da floresta em direção a vila das palmeiras.
Davi pulou em cima da caixa e ela jogou uma forte luz esverdeada que o varreu por completo em menos de um piscar de olhos. A caixa abriu as laterais, saindo lâminas longas que se encaixaram nos pés de Davi, subindo o tornozelo, joelhos até se prender completamente nas duas pernas. As lâminas se prendiam desordenadamente, se arrastando entre si até encontrarem o seu encaixe. Davi pulou para frente a caixa se ergueu em seu próprio eixo, encaixando uma camada de lâminas nas suas costas, correndo o metal até os seus braços, cobrindo cada parte do seu torso. Ele se virou para trás ouvindo um tiro, rapidamente pegando o elmo prateado com um círculo azul claro no meio. Ajeitando em sua cabeça, ele se voltou para olhar os homens ainda confusos pela nuvem de poeira.
Investindo em frente, Davi passou as lâminas das mãos pelas costas do braço do homem de azul, fazendo seis pequenas e rápidas incisões em seu braço direito, enquanto contornava por trás, golpeando as pernas do homem sem reação. A lâmina fina penetrava a carne como um graveto penetra a areia. Entrando e saindo, ele costurava uma trilha de pequenos furos que passavam a pele e se enterravam até ele sentir um desengate interno. Indo para dentro do carro, Davi golpeou os dois invasores dezenas de vezes em pontos entre as costas e a barriga, sem derramar uma única gota de sangue. Com a poeira baixando ele conseguiu ver ao longe o homem careca apontando a arma para Naya, tremendo como um galho fino em frente ao furacão. Jogando a arma no chão, ele correu para trás, em direção ao grande deserto.
-Meus braços, o que você fez com os meus braços?! –Perguntou o homem no chão. Davi se aproximou emitindo um som de lâminas de metal se arrastando umas nas outras. Davi já estava cansado, e aquela armadura facilmente pesava o dobro das caixas de beterraba.
-Meu juramento me proíbe de matar qualquer um que não esteja no mesmo nível. Eu só cortei todos os tendões dos seus braços, você não vai mais usa-los. –Disse Davi retirando o elmo. –Mas o juramento não fala nada sobre abandonar moribundos. –Disse Davi passando a lâmina da mão esquerda por entre a tira que prendia a máscara azul do sujeito. Pegando-a com a mão Davi a colocou em cima da mão imóvel do homem no chão. –Sua máscara está aqui, é só a colocar de novo. Mas prenda a respiração, o ar daqui não faz muito bem, sabe?
-Desgraçado. –Disse o homem selando os lábios e amaldiçoando Davi com os olhos.
Se atentando aos sons, ele sentiu uma fisgada lhe puxar a direita, recolocando o elmo. “Nissa? ” Perguntou ele sem voz. “Três ameaças neutralizadas. Um suspeito está correndo em direção ao grande deserto a 2,759 metros por segundo. ” Ele sorriu ao ouvir a voz dela em sua mente. “Como elas estão? ” Perguntou ele se virando para olhar Naya. “Uma sofreu arranhões e uma provável contusão no lobo parental. A outra sofreu um tiro no tornozelo, está perdendo sangue. ” Davi girou seu corpo para olhar a grávida no chão se arrastando, esticando no chão uma linha vermelha que a separava de seu pé direito.
-Você é um... –Disse Naya se aproximando mancando com um filtro em mãos. Davi se voltou para ela e retirou novamente o elmo, pressionando o círculo azul claro em seu centro. A armadura de lâminas se soltou e caiu no chão desmontada. -Você é um alado!
submitted by gilsonvilain to EscritoresBrasil [link] [comments]


2016.12.15 19:38 lakeyosemit2 Desde 2008, o /r/brasil teve 817.419 comentários feitos por 14.729 usuários únicos. Parabéns à comunidade!

Esses dias fiz um post com os comentários mais votados dentre os últimos 57 mil. Por causa de problemas técnicos, não fi-lo com todos comentários de todos os tempos. Agora, depois de 250 GB de comentários baixados ao longo de uma semana, tenho todos os dados.
O primeiro comentário feito ao /brasil foi no dia 16 de Fevereiro de 2008:
Usuário Comentário
tivolitur Tivoli Lazer, viagens de lazer, pacotes , pousadas,
Nascido do spam, o sub atingiu em 31 de Outubro de 2016 a marca de 817.419 comentários, feitos por 14.729 usuários únicos. Ao todo, os /brasileiros distribuíram um net karma (upvotes - downvotes) de 2.698.865! Por limitações do arquivo de comentários não foi possível incluir comentários mais recentes, e é possível que o sub já tenha atingido seu milionésimo comentário! Os comentários do /brasil filtrados do arquivo de 250 GB com todos comentários do reddit podem ser encontrados aqui (53 MB). O código para obter os dados mencionados nesse tópico pode ser encontrado aqui. Sem mais delongas, aos top 20!
Os 20 usuários com maior karma de comentários acumulado na história do sub:
Usuário Karma
[deleted] 126685
protestor 25890
nmarcolan 25849
babsrosa 24061
I_am_bovo 22381
chokkolate 18863
schmook 18536
SamucaDuca 15628
ROLeite 15203
bycrozz 14859
Donnutz 13062
1984stardust 12970
busdriverbuddha1 12546
kupfernikel 12259
VeteranCommander 12010
waspbr 11755
hoodjiah 11389
Montgomery-Cavendish 11074
Jay_Santos 10682
mmxx_th 10462
Os 20 comentaristas mais odiados do sub (menor karma acumulado):
Usuário Karma
VyMajoris -1073
Eonporter -614
parallel_life -592
Lffaz -381
Helhkr -136
axnine -113
PedroDev -98
EstudantedeHisotria -94
MeesterNoName -91
TheAngelW -86
feb33_1958 -84
Gothnath -82
PalavraDeDeus -73
VarsityPhysicist -64
confirma1X -58
I_HATE_GRINGOS -56
s9ugwSbM -56
PM_ME_WEED_AND_PUSSY -55
The_Force_Within -55
ce_dibb -54
Gostaria de congratular o VyMajoris pelo feito!
Os 20 melhores comentários
Votos Autor Comentário
777 vicedecorativo I'M LAUGHING A LOCHTE
495 adminslikefelching You don't have to apologize for what you haven't done, the actions of a bunch of people don't represent an entire nation.
488 frahm9 Bessias
399 qwerty7190 MEXICANO AQUÍ, NO LES ENTIENDO MUY BIEN PERO TIENEN MI SOPORTE, ADELANTE GUEYES
373 PanchDog CHILE TE APOYA CONCHESUMARE Y QUE ESTOS GRINGOS MARICONES DE REDDIT SE CHUPEN UNA SALCHICHA ALEMANA!!!\n\nBRAZIIIL-ZIL-ZIL-ZIL-ZIL
359 meunovonomedeusuario E DIGO MAIS: SANTOS DUMMONT É O INVENTOR DO AVIÃO
332 srjow Coitada, não sabe manobrar que nem o pai.
325 mmxx_th > que até a OI faria um trabalho melhor\n\nPelo menos não iria mais funcionar celular na prisão.
315 frahm9 Põe tag de spoiler porra, eu tou na parte do Ciro puto ainda.
311 AbortusLuciferum É tanta manobra que já podiam criar Eduardo Cunha Pro Skater 2016\n\n...desculpa
296 Gusteer VAMO CARALHO CHEIRA MEU CÚ GRINGO ARROMBADO\n\nWOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO\nBIRRLLLLLLLLL\n\nEDIT: É GOLD AQUI TBM, VALEU PORRAA
288 Gambrel ACABOU A CRISE CARAI ! VI PEDREIRO ABASTECENDO O MONZA 89 NA PODIUM E DANDO O TROCO PRO FRENTISTA !\n\n\n\nFoi lindo, o carro saiu voando em direção aos céus.
271 Eitjr Se o voto do Não tivesse recebido 367 votos, você sentiria a mesma coisa.\n\nO deputado do dolar na cueca ministrando sobre ética.\n\nDeputado envolvido com mensalão, deputado envolvido com petrolão tudo votando NÃO.\n\nAqui em Goiás tem um comunista do PT - o único que votou não - que é milionário e faz campanha como sendo defensor dos professores, mas é o primeiro comunista e o primeiro professor MILIONÁRIO que eu conheço (detalhe, antes de entrar na política era quebrado como todos os professores que acreditam nele)\n\nTivemos na mesma proporção (tem um outro post com os gráficos) deputados envolvidos em escândalos dos dois lados, muitos ainda não pois possuem foro privilegiado, mas logo logo vão receber a sua punição...\n\nDeputados e PARTIDOS falando sobre a constituição sendo rasgada - MAS QUE VOTOU CONTRA A CONSTITUIÇÃO DE 1988 \n\nDeputados falando que não houve crime, quando há provas cabais que HOUVE crime.\n\nDeputados falando em defesa da democracia, sendo que o impeachment É a solução democrática para impedir que um presidente faça essa bagunça que foi feita no nosso país\n\nO momento alí era para falar SIM ou NÃO, poucos fizeram isso. Você não pode se revoltar que eles não falaram da pedalada ou falaram de família porque ali não era pra falar nada, tiveram a semana toda para falar. Os que falaram, aproveitaram os seus 30 segundos na frente da TV onde milhões estavam assistindo para darem uma satisfação aos seus eleitores ou aparecerem mesmo.\n\nMas deveria ser só SIM ou NÃO.\n\n\nQual a legitimidade de um governo que fica falando que teve 54milhoes de votos e o vice não teve nenhum, mas escolheu justamente o PMDB para ser aliado, porque o PMDB é o partido com mais representações nas prefeituras e nos estados? Quantos MILHÕES só votaram 13 porque são PMDB e apoiam candidatos e políticos do PMDB? E ainda falam que o vice é GOLPISTA? E que ele não teve votos?? Porque não fez uma chapa só PT-PT então?\n\nQual a legitimidade de um Estado, que foi eleito MENTINDO para a população sobre a atual situação econômica do País? No dia SEGUINTE EXATO depois da eleição o governo mudou posições que DOIS DIAS ANTES ela no debate falava que não ia mudar, começou a retirar benefícios do povo que eram a bandeira da eleição, PRONATEC, CIENCIA SEM FRONTEIRAS, DIREITOS DO TRABALHADOR.\n\nNão conseguiu segurar a economia, a inflação, a petrobrás. Tudo que falaram que o outro candidato iria fazer. Qual a credibilidade tem um estado que MENTIU para ir para o poder e fez depois o OPOSTO que falou ao povo que iria fazer?\n\n\n\nQual a legitimidade de um estado que fez a sua campanha FINANCIADO COM CENTENAS DE MILHÕES que foram roubados das empresas estatais? Dinheiro que era para ser investido para melhorar o país foi desviado para bolsos de empresários, políticos e CAMPANHAS ELEITORAIS!! A mentira contada pelo PT, foi paga com corrupção.\n\nE não sou eu que estou falando não, são mais de 50 delatores que confessaram o crime, e vão passar anos na cadeia e tendo que devolver milhões de reais que estão falando.\n\nÉ legítimo isso?\n\n\n---------------------\n\nAlgo precisa ser feito. Não acho que CUNHA ou TEMER são a solução, mas FICAR PARADO VENDO ISSO NÃO SE PODE.\n\n\nE continuo FORA LULA, FORA DILMA, FORA CUNHA, FORA RENAN SIM!\n\nA diferença é que tem gente que quer: 'SÓ FORA CUNHA, SÓ FORA RENAN, SÓ FORA TEMER - mas por favor não meche na dilma, não meche no lula'.\n\nEssa é a diferença e por causa dessa diferença, eu estou sim, CONTENTE.\n\n\nQue o brasil aproveite essa OUTRA chance, pra se arrumar. Ao invés de ficar gritando golpe e tentando tampar os olhos.\n\n\nViva a Lava Jato. Prisão a todos os corruptos. De todos os partidos!\n\n\n-------------\n\nNÃO SOU A FAVOR NEM DA BOSTA, NEM DA MERDA, SOU A FAVOR DA DESCARGA
268 mushenrique Bel Pesce é a sacerdotisa brasileira de uma nova religião contemporânea: O empreendedorismo de Palestra.\n\nEla basicamente só tem negócios que fazem uma coisa: Sua auto promoção. Um organiza as palestras dela, outra os livros dela, outra os cursos dela e por aí vai. Tudo isso começou por causa do mito que ela criou em cima dela mesma com o ebook a menina do vale.\n\nEla acumula no curriculum as figurinhas que as pessoas idolatram: Google, Microsoft, MIT, startup (aconselho a irem ver no que deu a startup dela). Buzzwords como 'inovação', 'disruptiva', 'crowdfunding', tudo isso seduz a geração Y wannabe de Steve Jobs, Zuckberd, Musk e afins. \n\nIsso chega ao absurdo das pessoas DAREM dinheiro pra ela... cara, dar dinheiro pra ela pra que? Não é ela inovadora, disruptiva, criativa destrutiva, fodedora de velhos negócios?\n\nEla é o Edir Macedo desse culto, a propagandeadora dessa bolha que estamos inchando nesse século, dessa punhetação coletiva chamada 'ecossistema de startups' que é um grande cassino de gente rica querendo investir e um show de calouros pra gente que sonha em ganhar investimento dessa gente e 'entrar pro clube'. Alguém já assistiu Black Mirror?\n\nNão caiam nessa.\n\n*EDIT: Acompanhando os comentários da própria campanha. Que vergonha alheia, cara.\n\nEDIT 2: O loco, um GOLD. To melhor que a própria Bel Pesce em mobilizar as pessoas a me darem coisas.\n\nEDIT 3: 01/09/2016 - Quando eu disse pra procurarem a respeito da Startup que ela fundou.... voltei aqui só pra dizer que 'eu avisei', haha.
261 KaXaSA >“No Brasil é assim: quando um pobre rouba ele vai para a cadeia, mas quando um rico rouba ele vira ministro”.\n\n>-Luiz Inácio Lula da Silva\n
244 bschmok1 American here who just got back from Rio (and Recife and Curitiba). \n\nThe Rio Olympics were spectacular! And I'm so disappointed that many of my compatriots apparently decided not to go because they believed the fear-mongering media.\n\nIt was very noticeable that there were far fewer Americans compared to Europeans/Canadians/Australians and listening to the ridiculous, ignorant comments of my friends/family/coworkers regarding Rio/Brasil is getting annoying.\n\nAs someone who has lived and traveled abroad (including in SP and Curitiba), it's easy to forget how sheltered and U.S.-centric most Americans are until they are given the chance to talk about another country...
244 schmook Sujeito nojento. Nojento. O cara glorifica torturador e vocês chamam ele de mito? \n\nUma coisa é ser contra a Dilma, e eu sou. Uma outra coisa é ser pró impeachment, que eu também sou. \n\nMas homenagear o cara que torturou ela? Puta que me pariu. Isso é coisa de gente baixa, nojenta, sem capacidade moral, gente sádica, sem humanidade. Gente espúria. \n\nMinha mãe foi torturada por gente como esse bandido, nojento, sádico. Cuspiria eu mesmo na cara dele com todo prazer.
240 pucci_after BORA COLOCAR O PRIMEIRO POST EM PORTUGUÊS BRASILEIRO NO /all\n\nEDIT: VIGÉSIMO SEGUNDO POST DA FRONTPAGE, RUMO AO TOP 5, GOGOGOGOGOGO
238 meunomeegal Poxa vida!!! Eu nem entro mais em sites de notícias. Quando quero saber algo relevante venho aqui, vejo o que me interessa, leio os comentários, veja a galera debater (quase sempre um debate mais claro, objetivo e menos parcial do que dos sites). É uma pena!!!
237 nerak33 A Mônica e o Cebolinha vivem o bullying como devia ser se o mundo fosse cor de rosa. Eles vivem o sofrimento humano só com as lágrimas, mas sem o rancor e a amargura que as injustiças deixam na gente.\n\nMônica é a dona da rua. Cebolinha se acha mais esperto e quer ser ele o dono da rua - simbolicamente quer roubar o coelho dela, o Sansão. Assim como Dalila precisava tirar o cabelo do herói para tirar sua força, Cebolinha precisa roubar Sansão para tirar o poder simbólico, o cetro de Mônica. Mas seus planos sempre dão errado e ele apanha. Porque bate nos meninos, Mônica é a dona da rua. O ciclo se repete.\n\nQuem começou? Não dá pra saber. Isso distancia a 'violência' entre essas crianças de uma relação de bullying. É uma rivalidade em pé de igualdade.\n\nMônica chora, mas também se defende. Cebolinha apanha, mas não perde o sarcasmo. Eles sofrem, mas não são derrotados.\n\nSão como os clowns. A gente ama tanto a nossa humanidade que há neles, e é por sofrerem que são humanos. Mas eles sofrem sem rasgar e sem perderem a humanidade. São mais humanos, por não serem de carne.\n\nE são crianças. São capazes de serem ao mesmo tempo malvados e doces uns com os outros. Vão nas festas de aniversário uns dos outros e combatem vilões juntos. Ajudam a tirar ciscos do olho e consolam-se quando estão tristes. Acho que no céu é assim: as crianças ainda brigam, mas nunca se machucam e sempre se perdoam.\n\nNão é a toa que a Turma da Mônica funciona, mesmo com o traço simplório, a seqüência de quadros e fundos preguiçosos, etc. São histórias que tratam o leitor infantil com honestidade e também com carinho.
Já a Estatueta Amácio Mazzaropi de Nióbio para os 20 piores comentários da história vai para:
Votos Autor Comentário
-107 rubemll Não sei se isso vai acabar (E acabar com os gameplayers seria uma boa, não passam informação relevante, é um tipo de conteúdo completamente fútil e inútil), mas acho que já está fazendo muita gente rever essa mania maluca de querer alta definição em tudo.\n\nAssistem TV 480i boa parte do tempo, mas na hora de um conteúdo irrelevante como filme e vídeo do YT querem 1080p, vai entender, só consome mais banda a toa.\n\n(Áudio lossless que é bom esse povo não procura, porque nem sabe o que é isso. Se fazer upscale de 720p pra 1080p e postar assim muito noob assiste 1080p felizão e elogia a qualidade, é pura fachada essa necessidade de altas resoluções, tenho sérias dúvidas se 90% dos baixadores de fullHD notariam a diferença de uma exibição 720p pra 1080p)
-92 rubemll Alguns nazistas matavam judeus só por entretenimento.\n\nTem uns playboy retardado que tacam fogo em mendigo só por entretenimento.\n\nSe é só entretenimento então tá liberado.\n\nDesde que os Direitos Universais do Homem estabeleceram que todo mundo tem direito a alimentação, segurança, moradia e etc, a prioridade deveria ser melhorar o mundo até que isso seja alcançado, e jogar joguinho inútil não ajuda em nada pra isso. \n\nDia que o mundo todo tiver equalização de acesso à renda, alimentação e informação, aí tá liberado gastar o tempo extra com futilidades inúteis só pra entreter.\n\nAs coisas precisam ter uma utilidade mais nobre, 'só entreter' é coisa pra neanderthal egoísta que não sabe enxergar o mundo ao redor. Se tem gente que se entretêm pesquisando, publicando e estudando conteúdo pra melhorar o mundo, porque vai defender esses pirralhos egoístas que se entretêm só com o que afeta apenas a própria bunda?
-88 Eonporter Um salto de marcha ré... bem vindo de volta à Roma pagã.\n\nEDIT: Mas pelo menos houve uma votação democrática. O que nos tempos atuais já digno de nota. A Irlanda está se enterrando, mas pelo menos é voluntariamente.
-85 luisfca O pão e circo mostrando toda sua força! Não percam a chance de mostrar isso, pessoal! Vamos bater no peito toda nossa ignorância
-75 CadeOCarimbo 1) Acho que ninguém aqui do sub participou da organização, então é meio vazio dar os parabéns a nós. \n\n2) Melhores olimpíadas da história? Vc tem acompanhado as notícias? Austrália, Argentina e Jamaica reclamando das condições físicas, um fotógrafo europeu teve 40k usd de equipamentos roubados, atletas australianos e espanhóis assaltados..
-74 VictorPictor Vc sabe que o DOPS já existia antes da ditadura e que continua existindo até hoje em vários estados né? Sem pelo menos a data das fotos, a suspeita de que estas crianças tenham sido fichadas, ou mesmo presas, recai sobre qualquer governo entre 1924 até o fim da ditabranda.
-73 Lffaz Lamentável é cooperar com o imperialismo e querer interferir na política interna de um país soberano cujo líder foi eleito legítimo e democraticamente, sendo uma das últimas resistências ao neoliberalismo destrutivo promovido pelos estadunidenses.
-73 RandyLiddell Nojo é essa cambada de 'adultos' sem responsabilidade pelos seus atos, que quer transar sem protecao e depois fazer aborto.\n\n
-70 merdalsd Tem que denunciar. Cadeia nelas.
-67 parallel_life Bem típico dos autoritários cercear manifestações de opiniões diferentes mesmo, nem que seja com tinta. A próxima atitude será pintar os livros de branco?
-66 MeesterNoName Huh. Looks like some Brazilians are happy they beat a third tier German U-23 team in a penalty shoot out.\n\n7-1 boys, 7-1.
-64 Dinosaur_Supervisor Vamos combinar: videogame não é esporte.
-64 Lffaz Mensagem clara do STF: não vai ter golpe.\n\nMoro tem que ser exonerado por colocar em risco a soberania nacional.
-64 SeuGomes Obviamente, tudo que foi dito é 100% sério, ironia não existe mais.
-61 Hambr > A menina obviamente não era santa.\n\nSim. Provavelmente você também não é santo. Isso não significa que podem te estuprar.
-61 PedroDev Tudo que eu preciso é de um VLOGGER com o cabelo mais ridículo da história (edit: só pra explicar, pois o pessoal tá com dificuldade de entender, que a zuada com o cabelo dele é só uma brincadeira... o problema dele tá na parte de dentro da cabeça) pra me dizer oq achar sobre desarmamento
-61 smartassnick Não entendi. Esse aplicativo é pro hype train da nova geração? \n\n\nPokémon é legal e tal mas já passou da hora de parar. Vão só pegar outro par oposto (sombra e luz, mar e céu, fogo e água, daqui a pouco é 0 e 1, esquerda e direita) e fazer uns designs sem noção.
-58 sceptres Eu amei esse filme. Só não fez sucesso prq os neckbeards não gostaram que era um elenco feminino \n\n*ITT: Neckbeards se sentindo atacados
-57 [deleted] [deleted]
-57 Raposo_tavares Se fossem tantos assim, teriam vencido nas urnas. Não vai ter golpe.
Parabéns a todos envolvidos!
submitted by lakeyosemit2 to brasil [link] [comments]


ᴹᵃᵍᶦᵃ Booster: (des)encanto. JESUS MOSTROU O CÉU PARA UMA MENINA DE 10 ANOS Xana - Manual De Sobrevivência (ALBUM STREAM) Conversando com Mayse  #18 - Meninas boazinhas vão para o céu! As Meninas Boas Vão Para O Céu - YouTube Billie Eilish - all the good girls go to hell Xana - Alibi

Todas as boas meninas vão para o... Billie Eilish

  1. ᴹᵃᵍᶦᵃ Booster: (des)encanto.
  2. JESUS MOSTROU O CÉU PARA UMA MENINA DE 10 ANOS
  3. Xana - Manual De Sobrevivência (ALBUM STREAM)
  4. Conversando com Mayse #18 - Meninas boazinhas vão para o céu!
  5. As Meninas Boas Vão Para O Céu - YouTube
  6. Billie Eilish - all the good girls go to hell
  7. Xana - Alibi
  8. ⊙☆All the good girls go to hell☆⊙/Todas as boas meninas vão para o inferno{tradução gacha life}

Scorpions, Bon Jovi, The Eagles, Aerosmith, U2, Led Zeppelin - Now That's What I Call Power Ballads - Duration: 1:24:24. Rock Music Recommended for you ┈ Pode ser escutado sem fone. As Meninas Boas vão para o céu, as más vão para onde quiserem . Category People & Blogs; Show more Show less. Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. JESUS MOSTROU O CÉU PARA UMA MENINA DE 10 ANOS ... para esvaziar o inferno e encher o céu. ... estará ganhando almas para Cristo. O seu trabalho não será vão no Senhor. Xana álbum As Meninas Boas vão para o Céu, As Más vão para Toda a Parte [1994] Apenas para ser ouvido/ For listening purpose only! Tema: Meninas boazinhas vão para o céu! ... Inscreva-se no nosso canal, deixe seu like e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que acontece na Comunhão Espírita de Brasília. 50+ videos Play all Mix - ⊙☆All the good girls go to hell☆⊙/Todas as boas meninas vão para o inferno{tradução gacha life} YouTube All the good girls go to hell GLMV {tradução ... E o céu estiver fora de vista ... Todas as boas meninas vão para o inferno Porque até a própria Deusa Tem inimigos E quando a água começar a subir E o céu estiver fora de vista